Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Thiago Teixeira/Estadão
Thiago Teixeira/Estadão

Descontrole de gastos e inflação alta fazem crescer uso do rotativo do cartão

Mesmo com juros anuais de 334%, o maior do mercado, cartão de crédito rotativo movimentou R$ 29 bilhões em janeiro - alta de 8% sobre 2014

HUGO PASSARELLI E MARIANA CONGO, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2015 | 02h04


Texto atualizado às 15h45 de 20/03/15 para correção de informações

A inflação mais pesada e a falta de planejamento financeiro estão empurrando o brasileiro para o dinheiro mais caro oferecido pelos bancos: o rotativo do cartão de crédito, que tem juro médio anual de 334%. Quase R$ 30 bilhões por mês foram emprestados nessa linha de crédito em janeiro, um crescimento de 8% ante o mesmo mês de 2014. 

A alta é expressiva, já que a concessão de empréstimos de longo prazo com recursos livres (ou seja, sem juros subsidiados pelo governo) caiu 4% no mesmo período.

O consumidor entra no rotativo quando opta por pagar apenas o valor mínimo da fatura do cartão ou outra cifra insuficiente para abater a dívida. Com juros estratosféricos ao ano, o rotativo acaba aprisionando boa parte dos consumidores: a taxa de inadimplência é de 39,1% - de longe o maior porcentual de calote do sistema financeiro.

Pouco melhor que recorrer ao rotativo, uma opção é tentar parcelar a fatura. O juro ainda é salgado, de 106,7% ao ano.

Os dados sobre cartão de crédito começaram a ser divulgados em fevereiro pelo Banco Central (relativos a janeiro). Antes, só pesquisas de institutos de defesa do consumidor e associações abordavam esse mercado.

"O cartão de crédito pode ser muito bem utilizado, se a pessoa entender o que ele significa. Se eu gasto R$ 200 no cartão no dia 10 do mês, eu só estou postergando o pagamento daquela despesa. No vencimento da fatura eu vou precisar ter esse dinheiro", diz Gabriela Vale, consultora financeira pessoal do Instituto Libratta.

Situação econômica. O Banco Central separa os dados sobre cartão de crédito em três modalidades: rotativo, à vista e parcelado. Apesar do crescimento, o volume do rotativo ainda representa metade do crédito à vista. "Mas mesmo que boa parte do dinheiro emprestado seja do cartão à vista, ele é um crédito rotativo em potencial, porque há a possibilidade de a família escolher pagar o mínimo da fatura à vista e cair no rotativo", afirma Marianne Hanson, economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Uma pesquisa da entidade mostra que o cartão de crédito é a principal fonte de dívidas para 70% das famílias brasileiras. Desde o início da pesquisa, em 2010, o cartão lidera o ranking.

A situação da economia está deixando o consumidor com o orçamento familiar mais restrito. Combustíveis e energia elétrica tiveram reajustes significativos em 2015. Consequência do aumento de impostos, a gasolina respondeu, sozinha, por 25% da inflação de fevereiro.

Com as contas mais apertadas, a inadimplência do cartão de crédito e o uso do rotativo tendem a crescer - se não sobra dinheiro, as pessoas optam mais pelo pagamento mínimo.

O recomendado é que o consumidor não fique muitos meses no rotativo do cartão, pois a dívida só vai crescer e ficar mais difícil de pagar: a cada mês os juros são cobrados também sobre os juros do mês anterior.

Se a falta de dinheiro persistir, o ideal é renegociar a dívida no banco. Uma opção é fazer um empréstimo em outra linha com juros menores (como o consignado ou o crédito pessoal) e usar o valor para quitar o débito no rotativo. Depois, é hora de pagar o novo empréstimo com mais prazo e juro menor.

O problema, no entanto, começa antes. "A pessoa tem que admitir seus erros e não gastar mais do que ganha. O orçamento mensal da família tem que ser realista. É preciso um esforço financeiro", afirma Nicola Tingas, economista-chefe da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi).

Calote. "Enquanto na maior parte das linhas de crédito a inadimplência está estável, no rotativo ela subiu. E as taxas de juros crescem junto", diz o economista da Boa Vista SCPC, Flavio Calife. Em janeiro do ano passado, os calotes estavam em 31% - agora subiram para 39%. No mesmo período o juro do rotativo ao ano passou de 309% para os atuais 334%.

A situação de aperto no orçamento ainda é agravada pela alta da Selic (taxa de juros de referência). "Para um financiamento de curto prazo, como o rotativo, a alta da Selic tem impacto imediato no bolso do consumidor", diz Marianne, da CNC.

Tudo o que sabemos sobre:
créditojurosBanco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.