coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Descontrole foi maior motivo da inadimplência no 2.º bimestre, diz consultoria

Alimentos foram os maiores causadores dos calotes com cheques, com 14,5% dos casos

Thiago Moreno, especial para a Agência Estado,

27 de maio de 2013 | 17h32

SÃO PAULO - O principal motivo para a inadimplência com cheques em março e abril deste ano foi o descontrole pessoal dos consumidores. A informação está em pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 27, pela consultoria Telecheque.

Dos 1.155 consumidores entrevistados, 49,9% disseram ter perdido o controle sobre suas contas. Esse número representava 36% dos endividados em novembro de 2012.

Os alimentos foram os maiores causadores de dívidas não pagas: 14,5% dos produtos adquiridos com cheques de inadimplentes vieram do segmento. Em seguida, ficaram os setores de acessórios automotivos e manutenção (13,2%), roupas e vestuário (12,2%), e farmácias e drogaria (7,6%).

Esse fato preocupa o presidente da Telecheque, José Antônio Praxedes. Ele relaciona esse aumento do calote à inflação.

"A alimentação é um bem de primeira necessidade. O fato de o comprador deixar essas dívidas inadimplentes pode ser um reflexo inflacionário" diz ele. "O menor poder de compra complica o orçamento das famílias e elas são obrigadas a escolher."

O índice total de inadimplência com cheques abril cresceu 7,94% em relação a março. O nível de inadimplência foi de 3,40%. Em relação a abril de 2012, quando o índice marcou 3,20%, o aumento foi de 6,25%.

Os valores médios dos cheques não pagos também cresceram, passando de R$ 323,14 no mesmo período de 2012 para R$ 380,81 em 2013 - elevação de 17,85%. Abril, ante março, houve elevação de 1,63% no valor médio dos débitos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.