Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Desembargador derruba decisão que suspendeu efeitos da tabela de preços mínimos para frete

Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) derrubou a decisão que suspendia efeitos da tabela de preços mínimos para o frete de transporte rodoviário de carga

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 22h16

BRASÍLIA- O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) derrubou nesta sexta-feira, 08, a decisão que suspendia os efeitos da tabela de preços mínimos para o frete na contratação de transporte rodoviário de carga. A liminar tinha sido concedida nesta quinta-feira, 07, por um magistrado da justiça federal da Rio Grande do Norte (RN), para quem a iniciativa do governo era inconstitucional. 

Estão valendo os preços mínimos fixados no primeiro tabelamento, versão que é criticada pela indústria e o setor agropecuário, que estimou aumento de até 150% no valor dos fretes. A segunda tabela foi revogada pelo próprio governo, pois desagradou aos caminhoneiros, já que o preço dos fretes foi reduzido em média em 20%.

+ Reunião da ANTT com caminhoneiros deve durar toda a sexta e ser prolongada pelo final de semana

Uma das exigências dos caminhoneiros para encerrar a paralisação das últimas duas semanas, a Medida Provisória 832/2018, publicada pelo governo no dia 30 de maio, prevê uma "Política de Preços Mínimos de Transporte Rodoviário de Cargas". A Resolução número 5.820/2018 - ANTT, por sua vez, passou a estabelecer que os preços mínimos têm caráter "vinculante" (com a tabela de frete), devendo ser utilizados no cálculo da contratação do frete.

Ao atender ao recurso da Advocacia-geral da União (AGU), o vice-presidente do TRF-5, desembargador federal Cid Marconi Gurgel de Souza, afirmou que a suspensão da MP e da resolução interfere nas premissas de um acordo firmado pelo Poder Executivo.

+ Tabela do frete talvez não seja a melhor opção, diz Guardia

“Há que se realçar, em verdade, que o processo de negociação ainda não terminou, eis que, de acordo com notícias amplamente divulgadas pela mídia, ainda estão sendo revisados os valores fixados na tabela (foi noticiado, inclusive, que a primeira tabela já haveria sido substituída por uma nova, após reunião entre os interessados e integrantes do Executivo federal)”, afirma Gurgel na decisão.

+ CNI decide ir ao STF contra tabelamento do frete

A ANTT informou ainda nesta sexta-feira que as questões técnicas da tabela "continuarão em discussão na Agência e com o setor, a fim de chegar a uma solução que harmonize os interesses de produtores, transportadores e sociedade".

De acordo com o desembargador, a sociedade brasileira tem sido “testemunha” do processo de negociação em que se envolveu o Poder Executivo desde o início da greve dos caminhoneiros. “Pode-se dizer que as liminares, proferidas num momento em que as partes ainda buscam um consenso, pode interferir neste processo e, pior, inviabilizá-lo, sobretudo se de fato se concretizar o efeito multiplicador referido na inicial”, considerou o magistrado.

Mais conteúdo sobre:
transporte de carga caminhoneiro greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.