Desembolso do BNDES em 12 meses é recorde

Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) somaram R$ 55 bilhões no período de 12 meses encerrado em fevereiro, segundo o presidente do banco, Demian Fiocca. O volume desembolsado é recorde na instituição e o total de aprovações em 12 meses (R$ 79,9 bilhões) sinaliza para uma aceleração futura nos desembolsos do banco.Segundo Fiocca, o recorde nos desembolsos nos últimos 12 meses é consistente com o crescimento dos investimentos no País, que vem sendo revelado pelos dados da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) no Produto Interno Bruto (PIB).Os desembolsos para infra-estrutura totalizaram R$ 16,98 bilhões no período, sem variação ante os 12 meses terminados em fevereiro de 2006. No entanto, as aprovações para este setor somaram R$ 29,3 bilhões nos últimos 12 meses até fevereiro, com crescimento de 54%.De acordo com Fiocca, o crescimento das aprovações apontam para a ampliação dos investimentos nessa área e são consistentes com as políticas públicas definidas no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). Para ele, a aceleração nas aprovações em relação aos desembolsos são "uma indicação positiva para a infra-estrutura daqui pra frente".O diretor de planejamento do banco, Antonio Barros de Castro, avalia que o crescimento das aprovações totais da instituição em 12 meses (46%) superior à expansão dos desembolsos (22%) confirma que o País está numa rota de aceleração do crescimento econômico."Isso quer dizer que teremos um período vigoroso pela frente", afirmou. Segundo ele, o "forte descolamento" dos valores das aprovações em 12 meses (R$ 79,9 bilhões) em relação aos desembolsos (R$ 55,02 bilhões) pode estar antecipando uma "vigorosa expansão" das operações do BNDES. BimestreNo primeiro bimestre do ano, os desembolsos do BNDES cresceram 64%, ante igual período do ano passado. No acumulado de janeiro e fevereiro de 2007 os desembolsos somaram R$ 7,02 bilhões, ante R$ 2,7 bilhões no primeiro bimestre do ano passado.No caso das aprovações do banco, houve uma expansão de 128% no primeiro bimestre deste ano ante igual período do ano passado, passando de R$ 4,36 bilhões em 2006 para R$ 9,95 bilhões.No mesmo período, as consultas aumentaram 24%, de R$ 12,07 bilhões no primeiro bimestre de 2006 para R$ 14,99 bilhões em igual período deste ano. BNDESParFiocca não quis comentar a venda das ações da BNDESPar na Brasiliana Energia. Mas, a assessoria de imprensa do banco, consultou a área de mercado de capitais da instituição e informou que ainda não está decido se o BNDES venderá o total das ações que tem na empresa.Segundo a assessoria, o banco está contratando uma instituição financeira e será ela que definirá a forma como será efetuada a venda das ações. Ainda de acordo com a assessoria, a BNDESPar venderá sua fatia na Brasiliana dentro da estratégia da instituição de revisar sua carteira de investimento. Além disso, o BNDES considera que o momento atual é bom para o mercado e para a empresa. Fiocca justificou o silêncio em relação ao negócio, alegando que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é muito rigorosa nesse tipo de informação.Matéria alterada às 14h21 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.