Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Desembolso do BNDES fica US$ 13 bi abaixo da meta para 2005

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) esperava liberar recursos, ainda este ano, para seis grandes projetos que, somados, dão mais de US$ 17 bilhões em investimentos totais. Esse foi um dos motivos pelos quais a instituição desembolsou só R$ 47 bilhões em 2005, abaixo da meta que era de R$ 60,8 bilhões. A expectativa agora é que os desembolsos para esses projetos possam começar em 2006.Para a expansão da Suzano Bahia Sul Celulose, em Mucuri (BA), projeto de US$ 1,28 bilhão, isso é certo. O financiamento do banco, de R$ 2,59 bilhões, chegou a ser aprovado em outubro, mas a fase de contratação tomou o restante do ano e o dinheiro acabou não saindo em 2005. No caso da ferrovia Nova Transnordestina, cujo investimento é previsto em R$ 4 bilhões, há dependência de outras áreas do governo federal. Nos demais projetos, ainda faltam decisões por parte dos acionistas majoritários.O maior dos projetos é o da refinaria de produtos petroquímicos que será uma sociedade entre a Petrobrás e o Grupo Ultra, com participação do BNDES. Ela ainda precisa de definições como a de onde será instalada dentro do Norte Fluminense. A Unidade Petroquímica Básica (UPB), como é chamada, prevê investimentos de US$ 9,5 bilhões, somando suas três fases. Em parte dos casos, a consulta ao Banco não foi formalizada mas os contatos informais para participação já estão adiantados. Isso ocorre, por exemplo, com o projeto da Vale do Rio Doce com a ThyssenKrupp para formar a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) em Sepetiba, cujo investimento previsto é de US$ 2,3 bilhões. Há a possibilidade de os acionistas nem recorrerem ao BNDES e optarem por outras formas de financiamento.Também não há decisão ainda se o BNDES apoiará ou não outra siderúrgica com participação minoritária da Vale, a Ceará Steel, uma sociedade com a coreana Dongkuk Steel e a italiana Danieli, fornecedora de equipamentos. Nesse caso, o financiamento do BNDES para parte do investimento total, de US$ 750 milhões, só pode se dar se for atingida uma participação mínima de conteúdo nacional na siderúrgica, o que contraria alguns interesses da sócia italiana. O outro grande projeto para o qual o Banco esperava liberar recursos ainda em 2005 é o do aumento de produção da CSN. A empresa não decidiu, porém, se vai fazer uma expansão de suas instalações em Volta Redonda ou se investe R$ 6,5 bilhões em uma nova planta em Itaguaí, na região do Porto de Sepetiba.

Agencia Estado,

30 de dezembro de 2005 | 16h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.