Desembolsos do BNDES podem ultrapassar R$ 150 bi

Para alcançar a cifra prevista para este ano, o banco estatal precisa liberar quase R$ 30 bilhões em dezembro

MÔNICA CIARELLI , SERGIO TORRES / RIO , O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2012 | 02h05

Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) este ano podem ultrapassar a casa dos R$ 150 bilhões. A previsão foi feita ontem pelo presidente do banco, Luciano Coutinho. "Dezembro é um mês forte; podemos superar (a meta). Tudo vai depender do comportamento desses últimos dois dias", afirmou. Inicialmente, a previsão de Coutinho girava entre R$ 145 bilhões e R$ 150 bilhões.

Apesar de otimista, o executivo preferiu não comentar os dados acumulados pelo banco este ano até novembro, que somam R$ 121,8 bilhões. Um incremento de 3% frente ao igual período do ano passado.

Para alcançar o patamar recorde de R$ 150 bilhões, o banco precisa liberar quase R$ 30 bilhões em dezembro. Cifra que supera a média mensal de R$ 11 bilhões registrada em 2012.

O superintendente da Área de Planejamento do BNDES, Cláudio Leal, admitiu ao Estado que esse nível de financiamento jamais foi alcançado em um único mês, embora, historicamente, novembro e dezembro sejam os meses de maior desembolso anual. "Seria um número recorde, que o banco nunca desembolsou. Mas é provável que chegue ao R$ 150 bilhões", afirmou Leal. "Alcançar os R$ 150 bilhões no ano-calendário pode sinalizar, talvez, um princípio de retomada (da economia)."

De acordo com o BNDES, o intervalo entre dezembro de 2011 e novembro de 2012 registrou também o volume recorde de um milhão de operações de financiamento realizadas. O banco informou ter alcançado esse patamar devido, principalmente, à participação das micro, pequenas e médias empresas na carteira de financiamentos. Juntas, essas empresas responderam por 96% do total de operações efetuadas pelo banco.

Ainda conforme o comunicado oficial, o Cartão BNDES - voltado para as micro, pequenas e médias empresas -, registrou crescimento de 33% no número de operações nos 12 meses encerrados em novembro passado, em relação ao mesmo intervalo anterior. Essa expansão representa pouco mais de 700 mil contratos efetivados, com liberações de R$ 9,6 bilhões.

O informe do banco nacional de fomento mostra que todos os indicadores cresceram de maneira expressiva: 41% nas aprovações de novos empréstimos (R$ 211 bilhões no total) e 58% nas consultas, com R$ 263 bilhões em operações.

O banco divulgou que a quantidade elevada de consultas já contabiliza projetos de construção de sondas para o pré-sal. "O bom desempenho do BNDES reflete os instrumentos adotados pelo governo para o incremento da atividade econômica. Neste ano, até novembro, o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), com taxas de juros bastante competitivas, desembolsou cerca de R$ 37 bilhões, com 128 mil operações realizadas, sobretudo no setor de máquinas e equipamentos", informou o BNDES em seu site.

Os dados divulgados pelo banco revelam que, nos primeiros 11 meses deste ano, os desembolsos ficaram equilibrados entre os setores da indústria, com R$ 41,4 bilhões (34% do total ), e da infraestrutura, com R$ 40,2 bilhões (33%). O segmento de comércio e serviços, com R$ 30,3 bilhões liberados, teve participação de 25% nos valores globais dos financiamentos. A agropecuária, com R$ 9,9 bilhões, recebeu por 8% do total.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.