Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Desembolsos do BNDES têm queda de 23,4% em um ano

Foram R$ 55,31 bi, o menor valor desde 1996; banco também informou que lucrou R$ 17,72 bilhões no ano passado

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 04h00

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) desembolsou R$ 55,314 bilhões em 2019, queda real, já descontada a inflação, de 23,4% ante 2018. É o menor valor real desde 1996, quando o banco liberou R$ 49,477 bilhões. Em 2019, os desembolsos do banco de fomento equivaleram a 0,76% do Produto Interno Bruto (PIB), o menor nível da série histórica compilada pelo BNDES, iniciada em 1995.

Os dados foram divulgados no mesmo dia em que o BNDES informou lucro líquido recorde de R$ 17,72 bilhões ano passado, com resultado puxado pelas vendas de participações acionárias em empresas como Fibria, Petrobrás e Vale. A diretoria capitaneada pelo presidente Gustavo Montezano assumiu em julho com a missão de seguir reduzindo o BNDES – em relação à carteira de participações, a meta é diminuí-la em cerca de 80% até 2022. Em 2019, o movimento de redução do banco se juntou com a lentidão na retomada dos investimentos.

Para Montezano, que assumiu o cargo propondo transforma o BNDES no “banco de serviços do Estado brasileiro”, a mudança de tamanho e papel implica mudar a forma de medir o desempenho. Olhar para os desembolsos seria seguir a forma de raciocínio dos “bancos privados”.

“Nossa função é melhorar a qualidade de vida do brasileiro, não estamos preocupados com volume de desembolsos”, disse Montezano ontem, em entrevista coletiva para comentar os resultados financeiros.

A mudança de tamanho e papel do BNDES significa também aumentar cada vez mais o foco no setor de infraestrutura e nas pequenas e médias empresas. No primeiro caso, a prioridade é estruturar projetos de concessão que atraiam investimentos com capital e fontes de financiamento privados, embora o banco possa financiar os casos em que há poucas opções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.