Desempenho da Bolsa é o melhor desde fevereiro

Ibovespa teve valorização de 3,71% em setembro e ficou na segunda posição no ranking de investimento

Luiz Guilherme Gerbelli, de O Estado de S. Paulo,

28 de setembro de 2012 | 21h20

 

SÃO PAULO - O Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) teve em setembro valorização de 3,71%, a maior registrada desde de fevereiro. Essa também foi a terceira alta seguida da aplicação. Em julho, a Bolsa teve variação positiva de 3,21% e em agosto de 1,72%.

No ranking de investimentos de setembro, a melhor aplicação foi o ouro (4,46%) - refúgio tradicional dos aplicadores em período de crise financeira internacional.

"A Bolsa estava indo muito bem até meados de setembro, mas os receios com relação ao crescimento da China e com o restante do mundo acabaram prejudicando o desempenho da aplicação no fim do mês", afirmou o Michael Viriato, professor de finanças do Insper. Ontem, por exemplo, o Ibovespa recuou 1,77%.

A alta inicial da Bolsa em setembro foi impulsionada, sobretudo, por causa do anúncio do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) de aumentar o estímulo da economia - em 13 de setembro, a entidade anunciou a compra US$ 40 bilhões em títulos da dívida imobiliária por mês e decidiu seguir com essa política até que o mercado de trabalho americano se recupere.

Já as aplicações de renda fixa foram corroídas pelo IGP-M, cuja alta foi de 0,97% em setembro. O piso histórico da taxa básica de juros - em 7,5% ao ano - também prejudica o desempenho das aplicações mais conservadores, inclusive da nova poupança, que agora tem o rendimento atrelado a 70% da Selic.

"Nas aplicações com juros, não tem muito o que fazer. O investidor precisa olhar as taxas de administração, procurar alongar o prazo para pagar menos Imposto de Renda. Mas mesmo com tudo isso, os rendimentos ficam próximos de zero quando comparados com a inflação", disse Fabio Colombo, administrador de investimento.

O dólar comercial (-0,05%) foi a pior aplicação em setembro. Apesar do desempenho negativo no mês, a moeda americana ainda é a segunda melhor aplicação do ano (8,56%) - no acumulado de 2012, a liderança disparada é do ouro (22%).

"O dólar não tem muito mais espaço este ano. A valorização que houve até agora foi decorrente do início do ano", afirmou Keyler Carvalho Rocha, professor da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Futuro

Na avaliação de Viriato, professor de finanças do Insper, a Bolsa deve continuar como um dos melhores investimentos até o fim deste ano.

De acordo ele, as expectativas em relação ao cenário internacional já estão precificadas na Bolsa de Valores. "Se não existir nenhuma descontinuidade muito grande, a Bolsa já está bem descontada. Não tem porque ela ir pior", afirmou Viriato.

No ano, a valorização da Bolsa é de 4,27%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasao paulobovespaaltadesempenho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.