AP Photo/Patrick Semansky
AP Photo/Patrick Semansky

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Desemprego atinge mais de 20 milhões nos EUA e Trump pressiona por reabertura da economia

Restrições para conter a pandemia do novo coronavírus elevaram o índice de desemprego no país para 8,2%; presidente deve anunciar medidas nesta quinta-feira

Reuters

16 de abril de 2020 | 14h15

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja anunciar nesta quinta-feira, 16, novas diretrizes para reativar a economia do país após isolamento de um mês em reação à pandemia do novo coronavírus, apesar dos temores de especialistas de saúde, governadores e líderes empresariais sobre uma ressurgência de casos sem mais exames e protocolos em vigor.

Trump anunciou a decisão de induzir os Estados a suspenderem o confinamento em casa e outras restrições impostas no mês passado para conter a disseminação da doença altamente contagiosa no momento em que o número de mortes se aproximou de 31 mil na quarta-feira, 15 - mais do que qualquer outra nação.

As medidas para conter a pandemia levaram a economia do país a níveis que não eram vistos desde a Grande Depressão, em 1929, já que um recorde de mais de 20 milhões de norte-americanos solicitaram auxílio-desemprego. Só na semana passada foram 5,2 milhões, o que elevou o índice de desemprego dos EUA a 8,2%.

O presidente deve fazer uma teleconferência com governadores e disse que anunciará seu plano em uma coletiva de imprensa ainda nesta quinta.

Os dados de desemprego chegam na esteira dos dados de um dia antes sobre o varejo, que mostraram uma queda recorde nas vendas e a menor produção industrial desde o final da Segunda Guerra Mundial - o que pressiona ainda mais Trump, que apostou sua reeleição em novembro na força da economia norte-americana.

Na quarta-feira, ele disse que dados levam a crer que os casos novos atingiram o pico e que líderes industriais que participaram de uma rodada de telefonemas lhe ofereceram boas perspectivas para reativar a economia com segurança.

Mas o chefe de um grande sindicato alertou o presidente a não reabrir a menos que a segurança dos trabalhadores possa ser garantida, e executivos-chefes de algumas das maiores empresas do país disseram a Trump que mais exames são necessários para garantir a segurança, de acordo com diversas reportagens da mídia.

“Estamos em uma boa situação, e posso lhes garantir que a diretriz a ser apresentada hoje está alinhada com o que os especialistas estão dizendo, está alinhada com o que os dados estão mostrando e é um plano para recolocar a economia nos eixos”, disse a porta-voz da Casa Branca, Kayleigh McEnany, à rede Fox News nesta quinta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.