coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Desemprego cai 3,4% em São Paulo

O desemprego na Região Metropolitana de São Paulo diminuiu 3,4% em maio ante abril, segundo resultados da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Fundação Seade e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), divulgada hoje. A taxa de desemprego caiu de 20,4% da População Economicamente Ativa (PEA) em abril para 19,7% em maio.A pesquisa estima que os 19,7% da PEA desempregados representem 1,855 milhão de pessoas. A redução de 3,4% no desemprego na Região Metropolitana de São Paulo em maio, ante abril, é o resultado do decréscimo tanto do desemprego aberto, que foi de 13,3% em abril para 12,8% em maio, quanto do desemprego oculto, que caiu de 7,1% para 6,9% no período, segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego da Fundação Seade e do Dieese.Mas, se o nível de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo caiu 3,4% em maio ante abril, aumentou 12,6% em relação a maio do ano passado, o que representa 255 mil pessoas a mais sem emprego. Nesse período comparativo, foram criadas 15 mil vagas, enquanto a PEA aumentou em 270 mil pessoas. Entre maio de 2001 e maio deste ano, o desemprego total aumentou em todos os segmentos populacionais, sendo os mais expressivos entre os homens (14,9%), jovens de 18 a 24 anos (17,8%) e chefes de domicílios (15,7%).O contingente de trabalhadores que se encontra na situação de desemprego aberto (pessoas que procuraram trabalho nos trinta dias e não trabalharam nos sete dias anteriores à entrevista) foi estimado em 1,205 milhão, e o de trabalhadores em desemprego oculto (pessoas que, simultaneamente à procura de trabalho, realizaram algum tipo de atividade, descontínua e irregular) foi calculado em 650 mil, resultando no número total de 1,855 milhão de desempregados.As reduções mais intensas no desemprego aconteceram entre os jovens de 15 a 17 anos (8,1%), mulheres (5%), trabalhadores de 40 anos ou mais (4,7%), não-chefes de domicílio (4,5%) e pessoas entre 25 e 32 anos (3,2%).No geral, o nível de ocupação na Região Metropolitana de São Paulo cresceu 1,8% em maio ante abril, com a criação de 132 mil postos de trabalho, aumentando o total de ocupados para 7,559 milhões. As novas vagas incorporaram o elevado crescimento da PEA regional em maio, de 83 mil pessoas, e ainda reduziram o contingente de desempregados em 49 mil trabalhadores. O setor que mais abriu vagas foi o de serviços, com 61 mil (1,6%). O setor tem, hoje, 3,938 milhões de empregados. O segundo maior aumento foi no que a pesquisa classifica como "outros setores", que inclui a construção civil e serviços domésticos, por exemplo. Foram 38 mil novos postos de trabalho, que aumentaram o número de ocupados para 884 mil. A indústria na região metropolitana criou 26 mil ocupações em maio, um aumento também de 1,8%. Com isso, trabalham hoje na indústria da região 1,497 milhões de pessoas. O comércio foi o que menos cresceu, com a abertura de apenas 7 mil vagas (0,6%), elevando para 1,240 milhão os trabalhadores do setor. Ainda segundo a pesquisa, jornada média de trabalho dos assalariados de todos os setores permaneceu estável, em 43 horas semanais.Redução linearA queda do desemprego na Região Metropolitana de São Paulo aconteceu na mesma proporção na capital e nos demais municípios que compõem a região. Na capital, o desemprego diminuiu 3,7% em maio ante abril, com a taxa de desemprego ficando em 18,3%. Nos demais municípios da Região Metropolitana, a redução foi de 3,6%, com a taxa de desemprego caindo para 21,6%. O tempo médio de procura de trabalho pelos desempregados também caiu em maio, para 49 semanas, uma a menos que o verificado no mês anterior. Essa queda foi provocada pela redução do tempo médio das pessoas em desemprego oculto, de 66 para 63 semanas, porque o tempo médio de procura das que estão em desemprego aberto permaneceu em 42 semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.