Desemprego chega a 14% em parte dos EUA

Apesar de o índice médio de desemprego estar em 9,5%, em 19 dos 51 Estados o problema é mais grave, especialmente nas regiões mais industrializadas

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2010 | 00h00

A taxa de desemprego de 9,5% registrada nos Estados Unidos em junho oculta um dado ainda mais preocupante - a população sem trabalho supera essa média em 19 dos 51 Estados americanos e alcança 14% nas regiões mais industrializadas do país.

Enquanto o desemprego em Dakota do Norte, um Estado eminentemente agrícola na fronteira com o Canadá, manteve-se em apenas 3,6% - taxa bem menor que a média do Brasil no período, de 7,0% -, Nevada apresentou um recorde de 14,2%.

Segundo o economista Gary Burtless, do Brookings Institute, o desemprego atacou seriamente os Estados nos quais a indústria da construção civil se mostrava mais pujante até meados da década.

Expansão exagerada. Junto com o colapso da indústria da construção civil, decorrente da crise do subprime, em setembro de 2008, somou-se a expansão exagerada entre meados da década de 90 e 2006, que deixou um estoque de construções bem acima da demanda atual do mercado. Esses foram os casos de Nevada, da Califórnia (12,3% de desemprego), da Flórida (11,4%) e do Arizona que, com 9,6%, está mais próximo da média nacional.

Nesses Estados, a população economicamente ativa e a taxa de emprego vinham crescendo justamente em função do desenvolvimento da indústria da construção, que atraiu trabalhadores de outras regiões do país e imigrantes. Nas contas de Burtless, 25% da mão de obra do setor está atualmente sem emprego.

Indústria. Outros Estados afetados gravemente foram os que dependem economicamente da indústria manufatureira. O vice-campeão do desemprego no país, Michigan, apresentou uma taxa de desemprego de 13,2% em junho. A capital do Estado, Detroit, é ainda o maior polo da indústria automotiva do país e superou a média de desemprego do próprio Estado, com 13,7%.

Outro Estado dominado pela indústria e pelo setor financeiro, Illinois, apresentou taxa de 10,4%. Trata-se também do berço político do presidente americano, Barack Obama.

Nesses casos, segundo Burtless, o desemprego no setor manufatureiro já vinha assombrando desde o início dos anos 80, em função da transferência de investimentos produtivos para a Ásia - sobretudo, de setores intensivos em mão de obra, como têxtil e calçados. Hoje, 50% dos trabalhadores nos Estados industriais americanos está sem emprego.

Mas, de acordo com Burtless, a perspectiva para essas regiões não é das piores. "A tendência é de recuperação mais rápida da indústria manufatureira, que responde mais facilmente à retomada do consumo, que da construção civil", afirmou.

Gastos públicos. Na opinião de Burtless, a superação desse quadro vai exigir do governo Obama maior ousadia para ampliar investimentos do Estado em projetos de infraestrutura - desde escolas públicas a linhas de trem de alta velocidade.

A receita, entretanto, é duramente criticada pela oposição republicana, seja pela ampliação do papel do Estado na economia como pelo aumento de despesas, em um momento em que o déficit fiscal é de 10% do Produto Interno Bruto (PIB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.