Desemprego continuará preocupante até 2010, diz Obama

Apesar dos sinais que apontam a retomada da economia, presidente ainda não enxerga criação de vagas

ANA CONCEIÇÃO, Agencia Estado

21 de setembro de 2009 | 08h27

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não quis tocar no assunto macroeconomia em sua jornada televisiva, neste último domingo, 20, para defender a reforma do sistema de saúde, mas disse que o desemprego continuará preocupante no país até o ano que vem. Obama disse que prefere deixar os pronunciamentos sobre o assunto a cargo do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, mas considerou haver sinais nos mercados financeiros e no setor de manufatura de que a economia está voltando a crescer. Cauteloso, ele ponderou que o desemprego deverá continuar preocupante em 2010. "Provavelmente não veremos criação de empregos até o próximo ano", disse à CNN.

Veja também:

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

 

Obama e líderes do G-20, grupo das 20 maiores economias do mundo, se reúnem nos dias 24 e 25, em Pittsburgh, para coordenar esforços no sentido de reavivar a economia mundial. No encontro, a Casa Branca pedirá que os líderes das economias desenvolvidas e emergentes deem fim aos desequilíbrios que contribuíram para a crise financeira. "Não podemos voltar atrás, para a época em que chineses ou alemães ou outros países vendiam de tudo para nós, que apenas sacávamos nossos cartões de crédito, mas não vendíamos nada para eles", afirmou à CNN.

O presidente dos Estados Unidos concedeu entrevistas a talk shows de cinco redes de televisão do país para defender sua proposta de reforma do sistema de saúde norte-americano e ganhar apoio público. Sua atual prioridade, a reforma do sistema está nas mãos de um Senado profundamente dividido. As entrevistas foram gravadas na sexta-feira na Casa Branca e veiculadas ontem. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Obamadesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.