portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Desemprego de fevereiro é o menor para o mês desde 2003

Apesar da elevação da taxa de desemprego de janeiro (8,2%) para fevereiro (8,5%) nas seis principais regiões metropolitanas do País, a taxa de fevereiro é a menor para o mês apurada pelo IBGE desde 2003, salientou o gerente da pesquisa mensal de emprego do instituto, Cimar Azeredo. Segundo ele, os dados do mercado de trabalho no mês mostraram que há indicadores favoráveis, como os resultados do rendimento e o aumento da desocupação dentro do padrão de sazonalidade para o período, mas há também dados preocupantes como a redução no número de trabalhadores com carteira assinada e o recuo da ocupação na indústria.

JACQUELINE FARID, Agencia Estado

26 de março de 2009 | 14h09

Segundo ele, o rendimento médio real dos trabalhadores continuou mantendo desempenho favorável (queda de 0,1% ante janeiro, considerada como estabilidade e aumento de 4,6% ante fevereiro do ano passado) por causa da inflação controlada e a sustentação do processo de ganhos no poder de compra dos trabalhadores.

Já o número de trabalhadores com carteira assinada caiu 1,1% em fevereiro ante janeiro, mas aumentou 3,4% na comparação com fevereiro de 2008. O número de trabalhadores sem carteira recuou nas duas bases de comparação: -2,2% ante janeiro e -1,8% ante fevereiro do ano passado.

Indústria

A queda de 3,2% no número de trabalhadores na indústria nas seis principais regiões metropolitanas do País em fevereiro ante janeiro foi puxado pelas regiões de Porto Alegre e São Paulo, segundo Azeredo. Ele observou que, tradicionalmente, a indústria mostra queda na ocupação em fevereiro ante janeiro, mas este ano o recuo foi o maior já apurado na pesquisa, cuja série teve início em 2002. Ante fevereiro do ano passado, a indústria elevou o número de ocupados em 1% nas seis regiões.

Na região metropolitana de Porto Alegre o setor industrial registrou queda de 6,3% na ocupação no período, além de recuo de 2,6% ante fevereiro de 2008. Segundo Azeredo, a indústria responde por 21% da ocupação na capital gaúcha e, como a pesquisa não abre os dados por segmentos, não é possível esclarecer qual subsetor industrial puxou o fechamento de vagas na região.

Em São Paulo, o número de trabalhadores na indústria caiu 1,4% em fevereiro ante janeiro, mas subiu 4,3% ante fevereiro de 2008.

São Paulo

O rendimento médio real dos trabalhadores caiu 1,6% em fevereiro ante janeiro na região metropolitana de São Paulo, o maior recuo para o mês na região desde 2003, segundo Azeredo. O recuo da renda na região foi puxado pelo setor industrial, no qual o rendimento recuou 10% no período, também a maior redução para fevereiro desde 2003.

De janeiro para fevereiro, a renda na indústria paulista caiu de R$ 1.525.98 para R$ 1.373,00. No mesmo período, o número de trabalhadores no setor na região caiu 1,4%, com fechamento de 26 mil vagas.

A taxa de desemprego em São Paulo, incluindo todas as atividades pesquisadas, subiu para 10,0% em fevereiro, ante 9,4% em janeiro. A variação de um mês para o outro é avaliada como "estabilidade" pelo IBGE. Em fevereiro de 2008, a taxa de desemprego na região, que abriga cerca de 40% dos ocupados nas seis regiões pesquisadas, era de 9,3%.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregoIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.