Desemprego deve voltar ao nível de 2007, diz Meirelles

Taxa de desocupação no País fechou aquele ano em 9,3%. Em março ela foi de 9%, segundo o IBGE

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

19 de maio de 2009 | 12h02

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira, 19, no XXI Fórum Nacional que os índices de desemprego no segundo semestre devem ser comparáveis a 2007. "É preocupante, porque estamos retrocedendo dois anos", afirmou. A taxa de desemprego no País fechou 2007 em 9,3%. Em março deste ano ela foi de 9%.

Veja também:

especialEntenda a trajetória de valorização do real

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Meirelles observou que há países em situação muito pior, com retrocessos de décadas em relação ao desemprego. Após a apresentação, Meirelles disse, em entrevista, que, apesar de sua previsão sobre o emprego, é possível dizer que os dados do Caged "já são encorajadores no sentido de que há criação líquida de emprego".

Na apresentação, Meirelles buscou enfatizar que o Brasil tem condições de sair "mais forte da crise". Meirelles citou como fatores para isso o fato de o Brasil já estar comprando reservas e de ter tido uma redução muito pequena, de cerca de US$ 2 bilhões, no total de reservas desde o início da crise.

O presidente do BC ainda disse que a dívida líquida do setor público em relação ao PIB até diminuiu pelo fato de o Brasil ser credor líquido em dólar. A previsão do BC é que a dívida líquida fique em cerca de 38% do PIB no final do ano, ante pouco mais de 40% no terceiro trimestre do ano passado.

Ele citou ainda que o Brasil tem demanda doméstica e boas condições na margem para crescer, inclusive por parte do investimento. Entre as condições positivas do País, Meirelles destacou ainda a inflação sob controle.

Tudo o que sabemos sobre:
DesempregoHenrique MeirellesCrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.