Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Desemprego e montadoras reforçam pessimismo nos EUA

Nível de emprego é pior em 14 anos; fábricas de carros anunciam novos prejuízos.

Da BBC Brasil, BBC

07 de novembro de 2008 | 18h00

Novos dados relativos à economia dos Estados Unidos e montadoras americanas no terceiro trimestre do ano, divulgados nesta sexta-feira, reforçam a percepção de que o país está vivendo uma forte desaceleração e o princípio de uma possível recessão.O Departamento do Trabalho informou que o desemprego atingiu o nível mais alto em 14 anos, atingindo 6,5% da população economicamente ativa.Em relação às montadoras, a General Motors (GM) anunciou um prejuízo operacional em todo o mundo de US$ 4,2 bilhões e a Ford, de US$ 2,98 bilhões.As duas empresas anunciaram que terão que cortar mais vagas de trabalho para equilibrar suas contas.Fusão suspensa?As montadoras têm sofrido com a queda nas vendas de veículos, especialmente nos Estados Unidos.A GM disse que vai promover mais demissões, que devem afetar diretamente funcionários que não trabalham diretamente nas linhas de montagem (como, por exemplo, nas áreas de administração e de recursos humanos).Em um comunicado, a empresa também indicou que suspendeu as negociações para uma possível fusão com a Chrysler devido aos problemas que enfrenta.Embora não tenha citado diretamente a Chrysler, a nota diz que a empresa está deixando de lado as considerações sobre uma "aquisição estratégica".Por sua vez, a Ford anunciou que, apesar do prejuízo operacional bilionário, conseguiu contornar as perdas com medidas administrativas para reduzir custos - obtendo um prejuízo líquido total de US$ 129 milhões.A empresa ressaltou que vai prosseguir com a estratégia de diminuir o investimento na produção de veículos maiores e se concentrar na fabricação de veículos mais compactos e econômicos, cujas vendas têm sido menos afetadas pela crise financeira.A Ford quer reduzir em cerca de 10%, ou 2.260 funcionários, sua força de trabalho nas fábricas da América do Norte.As ações da montadora registraram uma queda de mais de 70% até agora neste ano e atingiram em outubro o nível mais baixo em 26 anos.Desemprego em altaO setor automotivo tem sido um dos que mais tem pressionado para cima o índice de desemprego nos Estados Unidos.O Departamento do Trabalho informou que 240 mil pessoas ficaram sem trabalho em outubro.Trata-se do décimo mês seguido de corte nas vagas de trabalho nos Estados Unidos, e é mais um sinal dos problemas econômicos enfrentados pelo país - que teve crescimento negativo do PIB (Produto Interno Bruno) no trimestre passado.No acumulado desde janeiro, 1,2 milhão de americanos ficaram desempregados.Apenas na última semana de outubro, o Departamento do Trabalho registrou novos pedidos de seguro-desemprego de 481 mil americanos.Alguns economistas já prevêem que a taxa de desemprego no país cresça para 8% ou até mais no ano que vem, especialmente se os Estados Unidos entrarem em recessão (dois trimestres seguidos de crescimento negativo da economia).Na recessão entre 1980 e 1982, a taxa de desemprego americana chegou a ser de 10,8%.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.