Desemprego em alta afeta humor do brasileiro

Novo índice que pretende captar o otimismo da população nas mídias sociais mostra que hoje o grau de satisfação ainda está no terreno negativo e o desempenho da economia é decisivo para a mudança

Márcia De Chiara e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2016 | 17h46

Passado um ano, pouca coisa mudou na percepção dos brasileiros em relação à crise. Um indicador batizado de Índice de Positividade (IP Brasil), que avalia a percepção positiva de temas políticos, econômicos e sociais abordados na imprensa e nas mídias sociais, ficou praticamente no mesmo patamar. Em julho de 2015, o IPBrasil estava em 51% e em julho deste ano em 49%. 

O indicador, calculado semanalmente pela empresa de pesquisa .MAP, sob a coordenação do economista Heron do Carmo, professor da Faculdade  de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, varia entre zero e 100%. Até 35% o cenário é considerado como de crise e entre 36% e 50% de deterioração. Só acima de 50% é que o indicador aponta para uma melhora da opinião pública.

Poço. “O IPBrasil piorou muito e atingiu o fundo do poço em fevereiro (7%) e voltou para o nível do ao passado que era muito ruim”, observa Heron. Ele lembra que em fevereiro, além da crise econômica e política, a opinião pública estava afetada negativamente pelos problemas de saúde pública, como Zica vírus, microcefalia e gripe H1N1. 

Apesar do índice de julho deste ano ser muito próximo do de julho do ano passado, Heron explica que agora o fator que mais está afetando o indicador é o desemprego e um ano atrás era crise política. “Agora melhoramos um pouco relativamente ao fundo poço. Mas ainda não estamos numa situação boa”, afirma.

Três grupos de variáveis relacionadas aos temas discutidos na imprensa e nas mídias sociais entram na composição do indicador: temas políticos, econômicos e relacionados com o bem estar da população, como saúde e educação, por exemplo. Ao todo são mais de 300 variáveis analisadas e ponderadas que entram na composição do indicador.

O coordenador do índice conta que o projeto começo para avaliar o desempenho da Copa do Mundo na opinião pública. Depois foi repetido na época das eleições e agora acaba de ser ampliado para acompanhar a percepção da opinião pública em relação ao Brasil. Durante um ano de apuração, observou-se que o indicador tem correlação com os índices de confiança do consumidor, o que reforça a  importância do IPBrasil.

Tudo o que sabemos sobre:
Heron do Carmo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.