finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Desemprego em SP é o menor desde julho de 95, aponta Dieese

Um dado que chamou especial atenção foi a redução de vagas no comércio pelo quinto mês consecutivo

Paula Puliti, da Agência Estado,

29 de agosto de 2007 | 15h18

A taxa de 15% de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), apurada pelo Seade/Dieese, é a menor para o mês desde julho de 1995 (13,1%), mas, na margem, o dado desapontou. Segundo Sinésio Pires Ferreira, diretor de Pesquisa e Análise de Dados do Seade, a expectativa era de que houvesse redução da taxa pelo terceiro mês consecutivo, mas o resultado ficou praticamente estável, com aumento de 0,1 ponto porcentual sobre junho, ou 12 mil postos a menos.   Veja também:  Desemprego em SP sobe levemente a 15% em julhoUm dado que chamou especial atenção foi a redução de vagas no comércio pelo quinto mês consecutivo. "Não é um dado fácil de analisar, mas provavelmente se trata de um ajuste, já que houve crescimento de contratações no fim do ano passado e nos primeiros meses deste ano", afirmou Ferreira. "No último trimestre, devem voltar a crescer", completou. Só em julho, o comércio registrou 18 mil demissões. O setor de serviços, maior empregador da Região Metropolitana de São Paulo, demitiu em julho 35 mil trabalhadores. Na ponta positiva, ficaram a indústria, com 34 mil postos, e a construção civil e serviços domésticos, com 18 mil vagas abertas.A pesquisa mostra que as massas de rendimentos reais, que afetam o consumo, dos ocupados caiu 0,7% em junho ante maio, e dos assalariados, 0,2%. Em 12 meses, saíram da situação de desemprego 153 mil pessoas, resultado da criação de 272 mil empregos e da entrada de 119 mil pessoas no mercado. O setor de serviços, em 12 meses encerrados em julho, gerou 130 mil ocupações; o comércio, 68 mil; indústria, 34 mil; e construção civil e empregos domésticos, 40 mil.  

Tudo o que sabemos sobre:
Desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.