finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Desemprego em SP é o menor para meses de outubro desde 96

Taxa na região metropolitana fica em 14,4% no mês, enquanto a média nas seis regiões pesquisadas cai para 15%

Célia Froufe, da Agência Estado,

28 de novembro de 2007 | 10h12

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) caiu de 15,1% em setembro, para 14,4% em outubro, após três meses de relativa estabilidade. Segundo as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), divulgada nesta quarta-feira, 28, pela Fundação Seade e Dieese, a taxa é a menor para o mês desde 1996. A taxa média nas seis regiões metropolitanas pesquisadas - Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal -, por sua vez, ficou em 15% no mês passado, queda de 0,5 ponto porcentual ante setembro. A estimativa das instituições é que o contingente de desempregados nas seis regiões é de 2,945 milhões de pessoas, 62 mil a menos do que em setembro. Segundo a composição da pesquisa, a taxa de desemprego aberto decresceu de 10,5% para 10,3%, enquanto a do oculto recuou de 5,0% para 4,8%. No mês passado, o nível de ocupação cresceu 1,4%, em relação a setembro. O número de postos de trabalho gerados (224 mil) superou o de pessoas que entraram no mercado de trabalho (161 mil). O total de ocupados nas seis regiões passou a ser estimado em 16,644 milhões de pessoas e a População Economicamente Ativa (PEA) em 19,589 milhões. O crescimento do nível de ocupação foi generalizado nas regiões pesquisadas, salvo na de Belo Horizonte, onde se manteve estável. As regiões que apresentaram maior expansão foram Recife (1,9%) e São Paulo (1,7%), seguidas por Distrito Federal (1,2%), Porto Alegre (1,1%) e Salvador (1,1%). São Paulo Na Região Metropolitana de São Paulo, a estimativa é de que, no mês passado, 1,482 milhão de pessoas estavam desempregadas na região, 58 mil a menos do que em setembro. Esse comportamento, segundo a pesquisa, resultou do aumento do nível de ocupação (151 mil) em número superior ao de pessoas que entraram no mercado de trabalho (93 mil). De acordo com a pesquisa, a taxa de desemprego aberto também caiu nos meses em análise, de 10,5% para 10%, enquanto a do desemprego oculto recuou, de 4,6% para 4,4%. Na comparação com outubro do ano passado, a taxa de desemprego total na RMSP passou de 14,6% para 14,4%.  Renda O rendimento médio real dos ocupados cresceu 1,1% entre agosto e setembro deste ano e o dos assalariados teve alta de 1,4%. Esses valores médios passaram a equivaler a R$ 1.061,00 e R$ 1.140,00, nas seis regiões pesquisadas. Em setembro, nessa mesma amostragem, as massas de rendimento reais de ocupados cresceram 1,5%, enquanto as dos assalariados subiram 1,9%. Em São Paulo, houve um avanço no nível de rendimentos pelo segundo mês consecutivo. O rendimento médio real de ocupados (que engloba também os assalariados) subiu 2,7%, enquanto o dos assalariados avançou 2,9% - respectivamente R$ 1.140,00 e R$ 1.207,00.  A massa de rendimento dos ocupados elevou-se 2,4% em setembro devido ao aumento do rendimento médio e a dos assalariados cresceu 3,1% refletindo acréscimos não só do rendimento, mas também do nível de emprego, segundo a Seade e o Dieese.

Tudo o que sabemos sobre:
Emprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.