coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Desemprego em SP fica estável e atinge 1,68 milhão de pessoas

A taxa de desemprego nos 39 municípios que compõem a Região Metropolitana de São Paulo ficou em 16,7% da População Economicamente Ativa (PEA) em julho, praticamente estável em relação a junho, quando o nível de desemprego atingia 16,8% da PEA. Em julho do ano passado, a taxa de desemprego estava em 17,5% da PEA. Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) foram divulgados nesta quarta-feira pela Fundação Seade. O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) indicou que o contingente de desempregados na região é de 1,68 milhão de pessoas.Conforme a pesquisa, houve pequeno acréscimo da ocupação, que oscilou 0,6%, resultado da geração de 34 mil postos na indústria, 17 mil em serviços, 4 mil no agregado outros setores (concentrado em construção civil e serviços domésticos) e eliminação de 9 mil posições no comércio.Entre junho e julho, entraram no mercado de trabalho paulista 43 mil pessoas, segundo as instituições responsáveis pela PED. Foi verificado também crescimento dos rendimentos médios reais do total dos ocupados e também dos assalariados. Em junho, o vencimento médio dos ocupados ficou em R$ 1.066, alta de 2,9% em comparação a maio, enquanto o vencimento dos assalariados correspondeu a R$ 1.124, aumento de 1,8% sobre maio. EstabilidadeA estabilidade registrada no nível de desemprego da Grande São Paulo em julho, que manteve uma seqüência de cinco meses sem oscilações significativas, se deve ao baixo ritmo de geração de empregos, segundo os especialistas da Fundação Seade e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese)."A ocupação continua muito devagar, crescendo pouco", apontou o gerente de Análise da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) pela Fundação Seade, Alexandre Loloian, ao comentar o índice de 16,7% de desemprego da População Economicamente Ativa (PEA) da região em julho.Pela primeira vez este ano, a PED registrou crescimento do emprego na indústria da Grande São Paulo, com a criação de 34 mil postos em julho ante junho. Os técnicos receberam, entretanto, o dado com ceticismo por causa da demora da indústria paulista em contratar ao longo do ano e, sobretudo, pela distribuição dos segmentos que contrataram: 11%, em Vestuário e Têxtil; 9,3%, em Química e Borracha; 4,5%, em Alimentação; e 2%, em Gráfica e Papel."Não podemos afirmar que esse crescimento do emprego industrial vai se sustentar", ponderou Loloian. "Os empregos do setor vestuário foram puxados provavelmente pelo início da produção da coleção Primavera-Verão, mas não sabemos exatamente o que puxou os outros setores", acrescentou, ao destacar como "positivo" o fato de o segmento de Metal-Mecânica ter registrado estabilidade no nível de emprego.Loloian também alertou para o fato de, pela primeira vez este ano, a PED registrar decréscimo no emprego industrial quando a comparação é feita em relação ao ano passado. "Em relação a julho de 2005, a indústria cortou 6 mil ocupações. É a primeira vez que constatamos esse dado negativo neste ano e se trata de um fato relevante", argumentou.O mercado de trabalho paulista, alertou o especialista, parece acompanhar neste momento a mudança de percepção sobre o crescimento econômico brasileiro que vem sendo feita pelo conjunto da economia País. "O comércio é um bom exemplo dessa mudança de expectativa: vinha contratando ao longo do ano e, em julho, teve saldo de 9 mil cortes sobre junho. Isso denota um pouco de ajuste do comércio ao clima de que haverá pouco esplendor econômico este ano", ponderou. Matéria alterada às 15h41 para acréscimo de informações

Agencia Estado,

23 de agosto de 2006 | 10h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.