Desemprego estável na Grande São Paulo, mas elevado: 17,9%

A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), produzida e divulgada pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos sócio-econômicos (Dieese), apontou para o mês de janeiro um índice de desempregados de 17,9% da População Economicamente Ativa (PEA) na região metropolitana de São Paulo. O índice foi considerado pelas instituições como estável em relação a dezembro do ano passado, quando ficou em 17,8% da PEA. O tempo médio para os desempregados para obter um novo trabalho subiu de 52 semanas em dezembro de 2001, para 54 semanas em janeiro último. Assim como aconteceu em janeiro de 2000, este é o maior patamar registrado desde outubro de 1984, quando a pesquisa começou a ser realizada, para a recolococação de um desempregado no mercado de trabalho.O contigente de desempregados estimado para a região metropolitana de São Paulo em janeiro foi de 1,668 milhão de pessoas. Na comparação com janeiro de 2001, a taxa de desemprego registrou crescimento de 1,6 ponto porcentual, já que, naquele ano, a taxa de desemprego estava em 16,3% da PEA. O levantamento do Seade/Dieese informa que 80 mil pessoas deixaram em janeiro a PEA na região metropolitana e, com a eliminação de 75 mil ocupações, houve certa estabilidade no total de desempregados no decorrer do mês (5 mil pessoas). A avaliação do Seade/Dieese é de que a taxa de desemprego verificada apresentou comportamento usual para o mês. A pesquisa demonstra ainda que o nível de ocupação teve retração de 1%, ocasionado por causa dos decréscimos de vagas no setor de Serviços (redução de 47 mil postos) e Outros Setores, com queda de 40 mil postos. "Destaque-se o expressivo decréscimo do contigente de trabalhadores autônomos (101 mil postos)", diz a pesquisa. Em termos de rendimento, o salário médio real dos ocupados e dos assalariados reverteu a trajetória de queda verificada nos últimos quatro meses, ficando positivo em 0,4% e 0,3%, respectivamente, no mês. Pelos dados da pesquisa, o salário médio entre os ocupados ficou em R$847,00, enquanto que, entre os assalariados, ficou em R$875,00. A PEA é realizada nos 38 municípios da região metropolitana de São Paulo, em uma amostra de 3 mil domicílios, e que considera como População em Idade Ativa (PIA), as pessoas com 10 anos e mais, enquanto que a População Economicamente Ativa (PEA) é considerada a parcela da PIA que está ocupada ou desempregada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.