Desemprego fica em 18,7% em 2004 ante 19,9% em 2003

Após três anos com resultados pouco favoráveis, o desempenho do mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo em 2004 gerou 256 mil postos, que foi responsável por incorporar 171 mil pessoas na População Economicamente Ativa (PEA) e reduzir o número de desempregados em 85 mil pessoas. A taxa de desemprego média no ano passado ficou em 18,7%, ante 19,9% em 2003. Os dados foram divulgados em conjunto pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).As instituições estimaram que 1,859 milhão de pessoas estavam desempregadas em 2004. O crescimento de 3,3% do nível ocupacional no ano passado foi provocado pela criação de 183 mil vagas nos Serviços - 41 mil na Indústria e 41 mil no Comércio, enquanto ocorreu uma redução de 9 mil postos no agregado Outros Setores, que engloba a Construção Civil, entre outros segmentos.Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), aumentou em 95 mil o número de assalariados com carteira assinada, em 74 mil os indivíduos sem carteira assinada, 48 mil trabalhadores autônomos que trabalham para o público e 7 mil autônomos para empresas.Após seis anos seguidos de retração, os rendimentos médios dos ocupados e dos assalariados registraram, em 2004, crescimento de 1,1% e de 1,2%, respectivamente, que passaram para R$ 1.015 e R$ 1.076.Queda de 17,4% em novembro para 17,1% em dezembroO índice de desemprego nos 39 municípios que compõem a Região Metropolitana de São Paulo caiu para 17,1% da População Economicamente Ativa (PEA) em dezembro, ante uma taxa de 17,4% em novembro. O dado, também divulgado pela Fundação Seade, em parceira com o Dieese, que estimou o número de desempregados na região em 1,718 milhão de pessoas. A taxa de dezembro significa a oitava queda consecutiva do desemprego na Grande São Paulo e é o menor patamar desde julho de 2001.Em dezembro, foram gerados na Região Metropolitana de São Paulo 28 mil postos de trabalho, que, somados à saída de 3 mil pessoas do mercado de trabalho, provocaram uma queda do contingente de 31 mil desempregados.O nível de ocupação pouco foi alterado neste mês, dado que houve uma expansão no Comércio de 71 mil vagas e aumento de 14 mil vagas na Indústria, cujo total compensou a queda nos setores de Serviços (51 mil vagas) e no agregado Outros Setores, onde houve redução de 6 mil ocupações.Por posição na ocupação, destacou-se o crescimento de 47 mil trabalhadores autônomos e a redução do emprego público em 14 mil vagas. Em novembro, os rendimentos médios de ocupados e assalariados caíram 1,6% e 1,8%, respectivamente, passando a corresponder a R$ 1.011 e R$ 1.085.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.