Desemprego fica em 5% em janeiro no Reino Unido

O desemprego no Reino Unido subiu inesperadamente em janeiro depois de dois meses de declínio, enquanto o ganho salarial médio cresceu no menor ritmo histórico pelo terceiro mês seguido, segundo dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatística do Reino Unido (ONS, na sigla em inglês). O número de pedidos de auxílio-desemprego no Reino Unido aumentou em 23.500 em janeiro, o maior desde julho de 2009. A taxa de desemprego permaneceu em 5% da força de trabalho.

SUZI KATZUMATA, Agencia Estado

17 de fevereiro de 2010 | 15h35

O aumento de janeiro, comparado com um dado revisado para queda de 9.600 pedidos em dezembro, foi uma surpresa. Os economistas previam um declínio de 13.500 no número de pedidos e uma taxa de desemprego de 5,0%. A ONS revisou suas estimativas de pedidos de auxílio-desemprego para dezembro depois de originalmente apontar um declínio de 15.200 pedidos.

O ganho salarial médio, excluindo bônus, ficou inalterado em 1,2% nos três primeiros meses até dezembro, a taxa mais baixa desde que o dado começou a ser compilado em 2001. A medida semanal evita problemas da acentuada flutuação dos pagamentos mensais distorcer as medidas dos ganhos regulares reais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unido, desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.