Desemprego fica estável e renda aumenta

A desocupação no conjunto das seis regiões metropolitanas do País (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) investigadas pela Pesquisa Mensal de Emprego ficou praticamente estável em junho, atingindo 2,3 milhões de pessoas. Segundo divulgou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice ficou em 10,4%, o que representa uma alta de 0,2 ponto percentual nos 10,2% apurados em maio. Porém, tomando como base o mesmo período do ano passado, quando a taxa foi de 9,4%, a tendência foi de alta. Conforme o IBGE, em relação a maio, foi registrado aumento na taxa de atividade (56,8%) de 0,5 ponto percentual. Este avanço é conseqüência, principalmente, do aumento significativo, observado pela primeira vez este ano, no contingente total de ocupados. Entretanto, esse acréscimo não foi suficiente para dar início ao processo de queda na taxa de desocupação. De maio para junho deste ano, foram gerados aproximadamente 170 mil postos de trabalho no total das seis áreas pesquisadas, o que representa um aumento na população ocupada em torno de 0,9%. O instituto ressaltou ainda que a média semestral do nível de ocupação (proporção de pessoas ocupadas em relação a população de 10 anos ou mais) de 2006 (50,7%) não apresentou variação em relação a 2005. De janeiro para junho de 2006 foi observado um crescimento relativo (0,7%) da população ocupada inferior ao de janeiro para junho de 2005 (1,7%).Renda A pesquisa revelou, também, que pelo quinto mês consecutivo o rendimento médio real habitual da população ocupada apresentou crescimento. Estimado em R$ 1.033,50, este indicador registrou variação de 0,5% em relação a maio. Em um ano, o poder de compra da população ocupada cresceu 6,7%. VARIAÇÃO DO RENDIMENTO MÉDIO REALPeríodoAnte mês anteriorAnte igual mês do ano anteriorJunho 20051,5%-0,3%Julho2,5%1,6%Agosto0,7%3,7%Setembrozero2%Outubro-1,4%1,8%Novembro0,4%2,1%Dezembro1,8%5,8%Janeiro 2006-1,2%2,3%Fevereiro1,1%2,5%Março0,5%2,5%Abril0,4%4,7%Maio1,3%7,7%Junho0,5%6,7%Fonte: IBGERegiões No agregado das seis regiões, nenhum grupamento de atividade apresentou alteração significativa na comparação com o mês anterior. Entretanto, na comparação anual, destacou-se o desempenho de Serviços prestados à empresa, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira, com crescimento de 7,7%. Em relação a maio, foi observada estabilidade em todas as regiões. No confronto com junho de 2005, três delas apresentaram alteração neste indicador: Recife (de 9,6% para 15,4%), Rio de Janeiro (de 6,9% para 8,8%) e Porto Alegre (de 7,1% para 8,2%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.