coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Desemprego na Grande SP atinge a marca de 17% em maio

A taxa de desemprego nos 39 municípios que compõem a Região Metropolitana de São Paulo ficou em 17% da População Economicamente Ativa (PEA), no mês de maio. O índice permanece estável desde abril, quando atingiu a marca de 16,9%. O dado foi divulgado nesta quarta-feira pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). De acordo com os números, o contingente de desempregados na região, em maio, era de 1,71 milhão de pessoas, 14 mil a mais do que no mês anterior. Foram criados 13 mil postos de trabalho, que ainda são insuficientes para absorver a expansão de 27 mil pessoas no mercado. Mesmo assim, o índice de 17% ainda é melhor do que o verificado em maio do ano passado, de 17,5%.Conforme a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), divulgada pelas instituições, o nível de ocupação ficou praticamente inalterado, com oscilação de 0,2%. Foram criados 40 mil postos em Serviços e outros 19 mil no Comércio.CortesNa Indústria, entretanto, foram 22 mil cortes. Nos outros setores, 24 mil pessoas foram demitidas, principalmente na Construção Civil e nos Serviços Domésticos.Entre março e abril, houve queda nos rendimentos médios reais do total de ocupados e também dos assalariados. Assim, o rendimento médio real dos ocupados correspondeu a R$ 1.039, queda de 1,3% ante março, e, entre os assalariados, o rendimento equivaleu a R$ 1.103, recuo de 1,1% sobre março. Esses rendimentos aproximaram-se dos valores recebidos pelos trabalhadores em abril de 2003.

Agencia Estado,

28 de junho de 2006 | 10h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.