finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Desemprego na Região Metropolitana de São Paulo fica estável em agosto

Na passagem de julho para agosto, houve a criação de apenas 2 mil postos de trabalho na RMSP, segundo pesquisa Seade/Dieese

Mário Braga, Agência Estado

24 de setembro de 2014 | 10h24

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) ficou relativamente estável ao passar de 11,4%, em julho, para 11,3%, em agosto, segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) divulgada nesta quarta-feira, 24, pela Fundação Seade e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Na comparação com agosto do ano passado, quando estava em 10,4%, a taxa de desemprego avançou 0,9 ponto porcentual.

Em agosto, o nível de ocupação não registrou variação sobre o levantamento de julho. No período, houve a geração de apenas 2 mil postos de trabalho e o número de ocupados foi estimado em 9,7 milhões de pessoas. No período, a População Economicamente Ativa (PEA) permaneceu relativamente estável (-0,1%) com a saída de 10 mil pessoas da força de trabalho. Em agosto, a soma de ocupados e desempregados na RMSP chega a 11,018 milhões. No mês passado, o total de desempregados foi previsto em 1,2 milhão, 12 mil a menos do que em julho.

O rendimento médio real dos ocupados na Região Metropolitana de São Paulo recuou 0,6% em julho, na comparação com junho, para R$ 1.870.

Setores. Na análise setorial, a indústria de transformação na região criou 39 mil postos de trabalho (+2,4%). O setor de serviços registrou relativa estabilidade, com geração de 11 mil postos de trabalho (+0,2%). No entanto, houve reduções na Construção (-2,6%), com a eliminação de 20 mil postos de trabalho e no segmento de comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (-0,5%), que eliminou 9 mil postos de trabalho.

Outras regiões. A taxa de desemprego avançou em três das cinco capitais onde é realizada a PED. Na passagem de julho para agosto, a taxa de desemprego subiu em Fortaleza (de 7,8% para 8,2%), em Porto Alegre (de 5,7% para 5,9%) e em Salvador (de 18,0% para 18,1%). Por outro lado, houve retração no Recife (de 12,5% para 12,2%) e em São Paulo (de 11,4% para 11,3%).

Desde o mês passado, sem a publicação dos resultados de Belo Horizonte devido a "problemas operacionais", a Seade e Dieese não divulgam a taxa média relativa às seis regiões metropolitanas pesquisadas. São divulgados, separadamente, apenas os números do desemprego das regiões metropolitanas de Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo.


Tudo o que sabemos sobre:
desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.