Desemprego na zona do euro sobe a 11,6% e bate recorde

O número de desempregados na zona do euro atingiu um novo recorde em setembro, destacando os danos que a prolongada crise fiscal e de crédito da região está causando na economia real enquanto os governos continuam cortando gastos para tentar controlar as dívidas.

AE, Agencia Estado

31 Outubro 2012 | 09h09

Segundo dados da Eurostat, 18,49 milhões de pessoas estavam sem trabalho na zona do euro em setembro, depois de 146 mil perderem o emprego. O total de desempregados é o maior já registrado na região, com base em dados que vêm desde 1995. Com isso, a taxa de desemprego subiu para 11,6%, de 11,5%. Economistas consultados pela Dow Jones previam taxa de 11,5%.

Na zona do euro como um todo, a taxa de desemprego entre os jovens subiu para 23,3% em setembro, também um recorde. Mas nos países do sul da região, que estão no centro da crise de dívida, a situação é ainda mais grave. O desemprego entre os jovens na Grécia e na Espanha está acima de 25% da força de trabalho local. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Zona do euro desemprego recorde

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.