Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Desemprego no Japão é o mais alto desde a 2ª Guerra Mundial

Taxa chegou a 5,7% em julho; empresas continuam demitindo, apesar da recuperação econômica no 2º tri

BBC Brasil,

28 de agosto de 2009 | 09h39

A taxa de desemprego no Japão no mês de julho atingiu 5,7% - a maior desde a 2ª Guerra Mundial -, segundo dados divulgados pelo governo nesta sexta-feira, 28. O total de desempregados no país chegou a 3,5 milhões e aumentou pela nona vez consecutiva. Em junho, o índice foi de 5,5%.

Segundo o correspondente da BBC em Tóquio Roland Buerk, as empresas japonesas continuam demitindo funcionários, apesar da recuperação econômica registrada no segundo trimestre deste ano.

Nesse período, a economia do Japão deu sinais de melhora após 12 meses consecutivos de queda e registrou crescimento de 0,9% em relação ao trimestre anterior. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) foi de 3,7%.

Buerk afirma que, apesar do fim da recessão, os benefícios da recuperação econômica ainda não foram sentidos pelas famílias e trabalhadores japoneses.

Outros dados divugados nesta sexta-feira indicam que os preços ao consumidor de itens essenciais, excluindo alimentos, caíram 2,2% em julho em relação ao mesmo período do ano passado - a maior queda já registrada.

Os novos dados sobre o desemprego são divulgados apenas dias antes das eleições gerais no país. Segundo Buerk, a notícia pode ser um "golpe" contra o primeiro-ministro, Taro Aso.

Pesquisas recentes indicam que o partido do premiê, o Liberal Democrata, que está no poder há 53 anos, poderia ser derrotado no pleito. BBC Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
Japãodesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • O Pix é seguro? Veja dicas de especialistas sobre o sistema de pagamentos
  • 13º salário: quem tem direito, datas e como a pandemia pode afetar o cálculo
  • Renda básica: o que é, quais os objetivos e efeitos e onde é aplicada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.