Desemprego no País fica estável em 15,3% em maio, diz Dieese

Mesmo com a estabilidade na taxa, total de desempregados nas seis regiões pesquisadas sobe para 3,096 milhões

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

23 de junho de 2009 | 10h23

A taxa de desemprego apurada pela Fundação Seade/Dieese em seis regiões metropolitanas atingiu 15,3% em maio, repetindo a taxa de abril. De acordo com a pesquisa de emprego e desemprego, o total de desempregados nas seis regiões subiu de 3,079 milhões em abril para 3,096 milhões no mês passado, o que representou um acréscimo no total de pessoas sem ocupação de 17 mil cidadãos. As seis regiões analisadas na pesquisa foram: São Paulo, Belo Horizonte, Distrito Federal, Porto alegre, Salvador e Recife.

 

Veja também:

linkApós 3 meses de alta, desemprego cai para 14,8% em São Paulo

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A indústria foi o único setor que eliminou postos de trabalho, com com corte de 16 mil vagas. Serviços foi o segmento que mais criou vagas, com acréscimo de 60 mil vagas. A construção civil apresentou incremento de 19 mil postos, o comércio exibiu um aumento de 5 mil empregos, enquanto a categoria outros setores, que engloba serviços domésticos gerou 12 mil postos de trabalho.

 

Em abril, o rendimento médio real dos ocupados nas seis regiões metropolitanas subiu 0,3% ante março e atingiu R$ 1.210,00. O salário médio real avançou 1% e equivale a R$ 1.288,00. O rendimento médio real das pessoas que estão trabalhando apresentou incremento de 1,1% em abril de 2009 em relação ao mesmo mês de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
empregocrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.