Ernesto Rodrigues/ Estadão
Ernesto Rodrigues/ Estadão

Desemprego, pobreza, falências e crédito são 'grandes desafios' do pós-pandemia, diz Economia

A equipe econômica afirma que os impactos da pandemia de covid-19 reverteram bons indicadores de emprego, arrecadação e atividade no País, com a paralisação das atividades a partir da segunda quinzena de março

Luci Ribeiro e Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2020 | 13h17

BRASÍLIA - O Ministério da Economia elencou quatro "grandes desafios" para a economia no pós-pandemia:  desemprego, aumento da pobreza, o grande número de falências e a necessidade de mais eficiência na oferta de crédito.

Para o órgão, o Produto Interno Bruto (PIB) negativo em 1,5% no primeiro trimestre de 2020 sobre o último trimestre de 2019, “embora esperado, coloca fim à recuperação econômica em curso” no País. A equipe econômica afirma que os impactos da pandemia de covid-19 reverteram bons indicadores de emprego, arrecadação e atividade no País, com a paralisação das atividades a partir da segunda quinzena de março, último mês do trimestre.

Segundo a pasta, reformas estruturais se fazem necessárias com o final do período e a retomada da agenda de consolidação fiscal é uma condição necessária para a rápida retomada econômica. “Em especial, a manutenção do teto de gastos constitui um pilar fundamental neste processo”, completa. O teto de gastos é a regra constitucional que impede que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação.

O ministério considera que a crise também faz com seja necessário “um conjunto amplo de reformas pró-mercado”. Entre as reformas estão a tributária, a aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico e do setor de gás natural, a abertura comercial e a agenda de concessões e privatizações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.