Washington Alves/Estadão
Washington Alves/Estadão

Desemprego recua para 12%, segundo IBGE, menor nível do ano

Número de desocupados ficou em 12,6 milhões no trimestre encerrado em novembro

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2017 | 05h00

RIO - O desemprego caiu mais um pouco em novembro, chegando aos menores níveis do ano, mas ainda acima de 2016. No trimestre encerrado em novembro, a taxa de desemprego ficou em 12%, abaixo dos 12,2% dos três meses encerrados em outubro e dos 12,6% do trimestre móvel imediatamente anterior, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O total de desempregados ficou em 12,6 milhões de pessoas, 543 mil a menos do que no trimestre terminado em agosto. Já o total de empregados atingiu 91,9 milhões, maior contingente desde o quarto trimestre de 2015 – 887 mil pessoas conseguiram uma ocupação, na passagem do trimestre encerrado em agosto para o terminado em novembro. 

Desde o primeiro trimestre deste ano, 3 milhões de pessoas conseguiram emprego no País. Só que a maior parte dos empregos gerados está em atividades geralmente informais, como trabalhadores sem carteira, empregados domésticos e por conta própria.

“São vários resultados favoráveis em termos do volume de ocupação e redução do volume de desocupação, entretanto, essa ocupação que cresce é voltada para a informalidade”, afirmou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

 

Segundo o pesquisador, em momentos de saída de crise e retomada do crescimento, é normal que o mercado comece a melhorar pelo emprego informal. Por isso, é cedo para falar em recuperação na dinâmica do emprego. 

Conforme o IBGE, o contingente de ocupados com carteira assinada caiu 0,6% em relação ao trimestre imediatamente anterior, com 194 mil vagas a menos. No período de um ano, o total de trabalhadores com carteira assinada caiu 2,5%, com o fechamento de 857 mil vagas de carteira assinada. 

Reforma. Esse tipo de retomada não preocupa o economista Hélcio Takeda, da consultoria econômica Pezco, porque ele avalia que os novos tipos de contratos possibilitados pela reforma trabalhista e pela terceirização da atividade-fim deverão alterar o desenho do mercado de trabalho daqui para a frente. “Talvez não tenhamos tantas contratações com carteira assinada como em ciclos anteriores”, diz Takeda.

Para Azeredo, do IBGE, a desagregação das informações aponta para uma melhoria lastreada no trabalho precário. Em um trimestre, o aumento no emprego foi verificado no trabalho sem carteira (3,8% de alta no total de ocupados, com 411 mil vagas a mais), no emprego doméstico (aumento de 3,5%, com 217 mil postos a mais) e por conta própria (alta de 0,8%, com 193 mil trabalhadores a mais).

O trabalho doméstico, lembrou o pesquisador do IBGE, é marcado pela informalidade e pela má remuneração, adotado como último recurso, quando não há outro tipo de vaga disponível.

Além disso, no período de um ano, são 1,1 milhão de trabalhadores a mais trabalhando por conta própria. Quando se olha por atividades econômicas, o destaque na evolução entre o trimestre encerrado em novembro de 2016 e igual período deste ano é o contingente de trabalhadores ocupados na categoria “alojamento e alimentação”, com alta de 9,2%, ou 439 mil vagas a mais. Nessa categoria estão, por exemplo, vendedores de quentinhas que trabalham por conta própria, disse Azeredo.

Na visão de Marcel Caparoz, economista da RC Consultores, o pior momento do mercado de trabalho ficou para trás, mas o número de desempregados ainda é elevado e a velocidade da melhora, ao longo de 2018, dependerá da atividade econômica. Com isso, a taxa de desemprego só deve voltar a cair para um dígito a partir de 2019.

Renda melhora. Um dado positivo é que, na esteira da alta real de 2,6% no rendimento médio mensal do trabalho (R$ 2.142, no trimestre findo em novembro) em um ano, a massa total de salários registrou avanço de 4,5% na comparação com igual período de 2016. “É mais dinheiro que entra na economia”, disse Caparo. Em um dos piores momentos da crise, o indicador chegou a recuar 5,4% em junho de 2016. / COLABORARAM THAÍS BARCELLOS E ALTAMIRO SILVA JUNIOR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.