Desemprego sobe em fevereiro, mas formalização aumenta

O desemprego cresceu emfevereiro pela segunda vez seguida, mas a taxa foi a menor járegistrada para o mês e houve também aumento do trabalhoformal. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)informou nesta quinta-feira que a taxa de desemprego foi de 8,7por cento no mês passado, ante 8,0 por cento em janeiro. Segundo o economista do IBGE, Cimar Pereira, o desempregonas seis maiores regiões metropolitanas do país deve continuarsubindo até abril, começando a ceder apenas ao longo do segundotrimestre. "A tendência é de que o ponto de inflexão se dê em abril enão há até agora um rebuliço no mercado interno por conta dasquestões externas", afirmou Pereira, ao destacar quehistoricamente a taxa costuma subir nos primeiros meses do anoem razão da dispensa de temporários contratados para as festasde fim de ano e do aumento da procura por trabalho. Apesar disso, o economista do IBGE destacou que odesemprego em 2008 está em um nível mais baixo que em 2007. "Adesocupação se encontra em um patamar mais baixo este ano.Tanto que as taxas de janeiro e fevereiro foram as menores paraesses meses, em toda a série. O mercado de trabalho em 2008está favorável." FORMALIDADE RECORDE Em fevereiro, a trajetória de formalização do mercado detrabalho foi mantida. Na comparação com fevereiro de 2007 foram criados 732 milempregos (alta de 3,6 por cento), enquanto o número deempregados com carteira subiu 8,4 por cento, o equivalente amais 722 mil trabalhadores formais. "O processo de formalização do mercado de trabalho continuaavançando. Isso é relevante, pois acontece em um mês dedispensa de funcionários", declarou Pereira, frisando que emfevereiro o mercado de trabalho tinha 54,6 por cento detrabalhadores formais, o maior percentual da série histórica. O aumento da formalização impulsionou o rendimento dotrabalhador para 1.189,90 reais, maior valor para um mês defevereiro da série histórica do IBGE, iniciada em 2002. "Nós ainda não recuperamos os níveis salariais de 2002.Estamos ainda em um processo de recuperação", ressaltouPereira. (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.