Desemprego sobe em janeiro, mostra o IBGE

A taxa de desemprego em janeiro atingiu 11,2%, segundo divulgou hoje o IBGE. O resultado superou os 10,5% registrados em dezembro "devido à sazonalidade do período", segundo o instituto. O número de pessoas desocupadas (não trabalhando e procurando trabalho) cresceu 8,2% em janeiro ante dezembro. O número de pessoas ocupadas aumentou 0,9% de dezembro para janeiro. O rendimento médio nominal habitualmente recebido (de acordo com o salário contratado) caiu 5,1% em dezembro ante novembro, enquanto o efetivamente recebido (incluindo gratificações) cresceu 10,9% de um mês para o outro. A pesquisa de emprego do IBGE está sendo calculada de acordo com nova metodologia desde novembro; as taxas calculadas com a nova metodologia têm sido sempre mais altas do que as anteriores. Taxa média A taxa média de desemprego de janeiro deste ano (11,2%) ficou praticamente estável em relação à registrada em igual mês do ano passado (11,1%). Segundo os dados divulgados hoje pelo IBGE, entre as seis regiões metropolitanas pesquisadas, a maior taxa de desemprego em janeiro foi registrada em Salvador (15,2%) e a menor em Porto Alegre (7,9%). Em São Paulo, a taxa em janeiro chegou a 13%, superior à registrada em janeiro de 2002 (11,9%). Todos os números foram calculados de acordo com a nova metodologia da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE. CautelaSegundo a técnica do departamento de emprego e rendimento do IBGE, Shyrlene Ramos de Souza, a taxa em janeiro deve ser avaliada com cautela, porque embute uma série de fatores sazonais. Segundo ela, as taxas de desocupação no primeiro trimestre tendem a ser superiores todos os anos às registradas no último trimestre do ano anterior. Além disso, ela explicou que a taxa foi pressionada pelo aumento de 10,8%, de dezembro para janeiro, no número de pessoas que nunca trabalharam e começaram a procurar trabalho no primeiro mês do ano. Segundo ela, essa também é uma característica típica de janeiro, já que vários estudantes formados no final do ano anterior vão em busca de uma vaga no mercado. Shyrlene sublinhou que, como era esperado, não houve alteração significativa no mercado de trabalho em janeiro ante dezembro. "No quadro do emprego, é difícil fortes mudanças em apenas um mês", afirmou. Ela admitiu que o mercado não vem gerando vagas suficientes para absorver todos que procuram trabalho. Em janeiro, a ocupação cresceu 0,9% ante dezembro, enquanto a desocupação (pessoas que não trabalham e procuram uma vaga) cresceu bem mais (8,2%). O IBGE não fará até março comparação com dados de igual mês do ano anterior. A justificativa é que, na adaptação dos dados do ano passado para a nova metodologia, não foram computadas as informações de Recife e Salvador, o que, segundo Shyrlene, impede uma análise comparativa. Em janeiro de 2002 a taxa de desemprego foi de 11,1%. São PauloO desemprego em São Paulo continua crescendo acima da média das seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE. A região responde por cerca de 45% das pessoas ocupadas e, portanto, tem o maior peso na pesquisa. Em janeiro, a taxa na região atingiu 13%, ante 11,7% em dezembro. Além disso, ao contrário do que ocorreu na média, a taxa em São Paulo subiu muito em janeiro deste ano ante igual mês do ano passado (11,9%). Shyrlene disse que o desemprego em São Paulo é mais alto porque a ocupação praticamente não cresceu (0,1%) em janeiro ante dezembro. "O mercado de trabalho não absorveu o crescimento dos desocupados", disse. A desocupação em São Paulo cresceu 13,4% em janeiro em relação a dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.