Desemprego tem leve queda e reforça patamar abaixo de 8%

A taxa de desemprego no Brasilcaiu levemente em junho, marcado a quarta queda seguida ereforçando a chegada a um novo patamar de ocupação no mercadode trabalho. A taxa de desocupação nas seis principais regiõesmetropolitanas do país ficou em 7,8 por cento no mês passado,ante 7,9 por cento em maio, informou o Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. "A taxa de desemprego só não caiu mais porque houve umaumento da procura que não foi plenamente atendida", afirmouCimar Pereira, economista do IBGE. Pelos cálculos do instituto, a taxa de desocupação do anodeve ficar abaixo da registrada em 2007, mas a superação dorecorde de 7,4 por cento --registrado em dezembro do anopassado-- pode não acontecer, por conta da alta do juro e dainflação, disse Cimar Pereira. Com o resultado de junho, o desemprego encerrou o primeirosemestre com uma taxa média de 8,3 por cento --a mais baixa dasérie para o período--, ante 9,9 por cento na primeira metadede 2007. "O fechamento menor esse ano está quase confirmado... asituação tem que piorar muito no segundo semestre para essequadro se reverter", disse Pereira. "O mercado de trabalho está absorvendo trabalhadores e aocupação está aumentando. A procura está sendo atendida esseano", acrescentou. A alta da inflação provocou a segunda queda consecutiva dorendimento mensal dos trabalhadores empregados, mostraram osdados do IBGE. Na comparação anual, o ritmo de crescimento estádesacelerando. "A inflação é a principal explicação para esse movimento.Além disso, tem mais gente no mercado e os dissídios não foramtão bons", afirmou Pereira. O rendimento encerrou o primeiro semestre em 1.220,94reais, ante 1.193,57 reais no mesmo período de 2007. Ocrescimento foi de 2,3 por cento entre o primeiro semestre de2007 e 2008, após avançar 4,4 por cento de 2006 para 2007.

RODRIGO VIGA GAIER, REUTERS

24 de julho de 2008 | 11h46

Tudo o que sabemos sobre:
MACRODESEMPREGOATUADOIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.