Desemprego volta a ficar acima de 20% na Espanha

A taxa de desemprego na Espanha voltou a ficar acima de 20% nos últimos três meses de 2010, na medida em que mais de 138 mil empregos foram eliminados, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). O desemprego subiu para 20,3% no quarto trimestre do ano passado, ante 19,8% no terceiro, atingindo o maior nível desde os 20,7% registrados no segundo trimestre de 1997.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

28 de janeiro de 2011 | 08h44

O recuo observado no desemprego no terceiro trimestre havia sido o primeiro desde o segundo trimestre de 2007. A perda de postos de trabalho ocorreu após dois trimestres consecutivos de criação de vagas - um sinal de que as políticas de austeridade, que incluem impostos mais altos e cortes profundos nos gastos do governo, estão tendo um efeito negativo sobre as políticas de contratação das empresas, apesar de pequenas reformas nas leis trabalhistas da Espanha.

Em comunicado, o INE informou que o aumento no desemprego foi movido pelos setores de serviço e construção. No geral, 4,7 milhões de pessoas estavam sem trabalho no quarto trimestre de 2010 na Espanha, que possui a maior taxa de desemprego entre os países desenvolvidos.

Os números do INE também indicam que o desemprego permanece bastante divergente entre as regiões do país, com uma crescente diferença entre o norte mais rico e o sul mais pobre. O desemprego ficou em 11% no País Basco e em 29% nas Ilhas Canárias. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseEspanhadesempregoreformas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.