Desenvolvimento microeconômico será foco em 2004, diz Palocci

A equipe econômica do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve concentrar seus esforços, a partir de 2004, numa agenda de desenvolvimento microeconômico. "Com a macroeconomia assegurada, temos que partir agora para uma pauta micro", afirmou hoje o ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Serão tratados dentro dessa agenda micro temas como a definição de marcos regulatórios para alguns setores da economia, a redução dos spreads bancários ? diferença entre os juros de captação e as taxas cobradas nos empréstimos ? e outros pontos que estão sendo discutidos dentro do Congresso Nacional, como a alienação fiduciária. Um dos aspectos que constam desse novo enfoque de trabalho da equipe econômica será a política industrial, que teve suas linhas gerais anunciadas pelo ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan. Para Palocci, o País vive uma situação especial, que será favorável ao ingresso num período de crescimento econômico mais "robusto". "Neste momento, vivemos uma combinação de fatores extremamente positiva: inflação controlada, dívida equilibrada, assim como as contas externas", disse. Caminho certoPalocci afirmou que o caminho que vem sendo adotado pelo Banco Central, em relação à taxa básica de juros, Selic, é adequado. Para o ministro, a política monetária reflete a capacidade do País de retomar o processo de crescimento econômico, de implementar as reformas e demais pontos da agenda de desenvolvimento. "É esse conjunto que permite a utilização de instrumentos mais ou menos severos (de política monetária)", disse. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central vem reduzindo, desde junho, a taxa Selic. Atualmente, a taxa está em 17,5% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.