Desenvolvimento se faz com juros competitivos, diz Furlan

O ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse que sentiu inveja quando o ministro de Economia do México, Fernando Canales Clariond, informou as taxas de juros praticadas naquele país. Embora sem citar números, Furlan afirmou que o desenvolvimento de um país se faz com juros competitivos, principalmente para que as empresas invistam. A taxa de juros do México, no ano passado, foi em média de 6,2% e, segundo o ministro mexicano, caminha para um patamar de 3% a 4% ao ano, semelhante à da maioria dos países desenvolvidos. Pouco antes de participar da abertura da 6ª Reunião Plenária do Comitê Empresarial Brasil-México, o ministro Furlan disse, ao ser indagado sobre as suas expectativas em relação à próxima reunião do Copom, que espera uma reduçao da taxa Selic. "Eu sempre espero que os juros baixem. O ministério onde trabalhamos é de Desenvolvimento e desenvolvimento significa também movimentação da economia e juros competitivos", afirmou Furlan em rápida entrevista à imprensa. Ainda durante a sua apresentação sobre crescimento econômico e política industrial brasileira, o ministro Furlan disse para cerca de 150 empresários, que o Brasil começou um ciclo de crescimento sustentado e agora vai rumo a "frutificação" do que foi plantado em 2003. Em resposta aos que criticam "o conservadorismo do governo", o ministro afirmou que o governo nada mais fez do que fincar alicerces firmes. "Muitas vezes é necessário colocar estacas de 30 metros e digo isso como engenheiro. Não se pode economizar nos alicerces e isso que foi feito", discursou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.