Desistência de Reutemann surpreende Duhalde

O porta-voz da Presidência, Eduardo Amadeo, afirmou hoje que o presidente Eduardo Duhalde ficou surpreso com a decisão do governador de Santa Fé, Carlos Reutemann, de não participar das eleições, e admitiu que o governo agora não tem candidato. Ele também atacou a oposição, dizendo que a líder do ARI (Alternativa para uma República de Iguais), Elisa Carrió, "põe pedras no processo democrático". Segundo Amadeo, Reutemann "é uma pessoa que não gosta de pressões e se sentiu muito pressionado pela imprensa" para anunciar sua candidatura. O porta-voz não soube responder às perguntas sobre o motivo que levou o candidato preferido de Duhalde a descartar sua candidatura à sucessão presidencial. "Vá saber as razões pessoais de alguém, provavelmente queria desenvolver outro projeto de sua vida", opinou. Amadeo disse que agora haverá que "encontrar opções novas". Segundo ele, a candidata que encabeça todas as pesquisas, Elisa Carrió, "põe obstáculos para que não haja eleições, porque não tem opção pragmática, um programa que possa mostrar às pessoas". Eduardo Amadeo critica o fato de Carrió defender o adiantamento de eleições, mas não da reforma da Constituição. "Ao pedir o adiantamento das eleições , ela nega a possibilidade de que se inscrevam mais partidos e põe pedras ao processo democrático". Elisa Carrió, por sua vez , é contrária à mudanças constitucionais para evitar manobras partidárias do tipo da que pretende o menemismo para habilitar o ex-presidente Carlos Menem a concorrer. Também defende que as eleições têm que ser gerais e não somente para Presidência e Vice-Presidência, já que governar com os mesmos deputados, senadores e governadores, "será praticamente impossível e igual à situação atual".

Agencia Estado,

11 de julho de 2002 | 09h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.