Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

‘Desistimos da casa própria por causa do juros’

Casal do interior de São Paulo não conseguiu sair do aluguel

Rodolfo Mondoni e Teresa Patrícia Oliveira, Especiais para O Estado

29 Maio 2015 | 09h00

Mayara Teodoro, de 25 anos, mora com seu marido e filho em uma casa alugada em Piracicaba, interior de São Paulo. Há dois anos pagam aluguel e não vão conseguir o sonho da casa própria em 2015. 

"Desistimos por causa do juro e pela mudança no valor da entrada, no caso de compra de imóveis usados", disse a ex-funcionária pública, que deixou seu emprego há duas semanas para cuidar do filho de 9 meses.

Com sua saída do mercado de trabalho, a única fonte de renda passou a ser o salário do marido, Mateus Teodoro, de 24 anos. Estudante do quinto semestre de física no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Mateus trabalha como operador no turno da madrugada da Arcelormittal, e como autônomo instalando sistemas elétricos e de segurança residencial. 

Em 2012, o casal comprou um apartamento, mas, com o nascimento do filho, acharam melhor mudar para uma casa. Colocaram o apartamento à venda, mas não conseguiram comprador. Optaram, então, por solicitar o distrato para receber o valor que já haviam pago à construtora. 

Depois de muita discussão, o distrato foi aceito e o valor passou a ser restituído em parcelas. Com essa questão resolvida, foram à Caixa para simular o financiamento de um imóvel que tinham interesse, com a intenção de utilizar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

"Descobrimos que o valor era mais alto do que esperávamos. Para uma casa de R$ 200 mil, a entrada era de pouco mais de R$ 80 mil. E com uma taxa de 9% ao ano". Como não conseguiram chegar a um acordo, o casal resolveu desistir da compra. "Decidimos guardar o dinheiro e continuar juntando. Quem sabe o ano que vem". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.