coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Desoneração do etanol não resolve problema de competitividade, diz Unica

Representante do setor, contudo, diz que medidas ‘são as possíveis no momento e estão na direção correta’

Venilson Ferreira, Célia Froufe e Renata Veríssimo,

23 de abril de 2013 | 15h02

A presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, disse há pouco, durante a coletiva de apresentação do pacote do governo de apoio ao setor sucroalcooleiro, que as medidas "são as possíveis no momento e estão na direção correta", pois ajudam na competitividade do etanol. Ela observa que "as medidas por si não resolvem o problema, mas iniciativas como a desoneração do PIS/Cofins estão na direção correta".

Farina afirmou que as condições melhores de financiamento para renovação de canaviais irão ajudar a recuperar a produtividade e a eficiência das lavouras. Ela também destacou o financiamento à expansão das lavouras, pois a produção agrícola é um fator limitante, e a indústria trabalha com ociosidade. Segundo ela, são medidas que ajudam na competitividade do setor e aliviam pressão sobre as usinas.

A presidente da Única afirmou que um fator importante é interlocução permanente com o governo federal, inclusive com o encontro de ontem com a presidente Dilma Rousseff. Farina afirmou que a presidente Dilma ressaltou na audiência de ontem que as conversar vão continuar, levando em conta a importância do etanol no planejamento da matriz energética.1

Tudo o que sabemos sobre:
etanoldesoneração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.