Desonerações ampliam desafio do cenário fiscal, diz MCM

A decisão do governo em tornar a desoneração da folha de pagamento uma medida permanente para os 56 setores já contemplados vai tornar o cenário fiscal do ano que vem mais desafiador, na visão no economista da MCM Consultores, Antonio Madeira. "Não estávamos contando com essa decisão, imaginávamos justamente o contrário, que o governo voltasse com uma parte das desonerações em 2015 ou integralmente", disse.

CARLA ARAÚJO, Agencia Estado

27 de maio de 2014 | 19h17

Segundo o economista, mesmo sem contar com a permanência das desonerações, o cenário fiscal de 2015 já exigia "grandes desafios" para cumprimento da meta. "Tínhamos a previsão de um superávit de 2% do PIB no que vem. Já não ia ser fácil, agora com essa decisão o governo vai ter que buscar arrecadação em outro lugar", disse. Madeira acredita que, para compensar a medida, o governo provavelmente vai manter a elevação do IPI para veículos e bebidas frias.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que a previsão do impacto da desoneração da folha de pagamento para 56 setores é de R$ 21,6 bilhões neste ano e que o volume da renúncia fiscal pode crescer nos próximos anos, conforme mais contratações forem feitas pelas empresas.

Madeira disse que a decisão, a princípio, não altera as projeções de um superávit fiscal de 2% no ano que vem. "O que aumento é o risco de não se cumprir essa meta", reforça. Para este ano, a consultoria trabalha com a estimativa de 1,3% do PIB, abaixo da meta do governo de 1,9%.

Questionado se acreditava que a permanência da desoneração era uma medida política do governo para agradar empresários por conta do ano eleitoral, Madeira ponderou que a decisão mostra que o governo percebe a situação ruim da economia. "(A decisão) mostra que o governo está preocupado com a atividade que não anda, com um crescimento do PIB que deve ser baixo e com o baixo nível de confiança", afirmou. "A pressão aumentou e o fiscal vai pagar a conta", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
planos econômicosSTFMCM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.