coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Destruição criativa

O ‘day after’ desta crise nos trará um mundo com outros hábitos e outra organização dos setores produtivos

Adriano Pires*, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2020 | 04h00

Em 1942, Joseph Schumpeter escreveu um livro chamado Capitalismo, Socialismo e Democracia. Esse livro se transformou num clássico da literatura econômica e leitura obrigatória. Aliás, em tempo de isolamento, vale citar o escritor Eduardo Agualusa: “Ler é a melhor maneira de contrariar o isolamento. Leitores não são ilhas. São universos em expansão”.

Em seu livro, Schumpeter introduz um conceito que me parece muito interessante explorar nestes tempos de coronavírus: o conceito de destruição criativa. Mas o que é destruição criativa? A destruição criativa define o processo que promove o crescimento da produtividade. A produtividade é a capacidade da sociedade de obter maior produção a partir de dado insumo. A destruição criativa seria a principal força por trás do progresso econômico. A criação e a destruição criativa andariam sempre juntas de mãos dadas. Segundo Schumpeter, “o processo de destruição criativa é o fato essencial do capitalismo”. Ainda o autor: “É nisso que o capitalismo consiste e no que deve se concentrar a preocupação de todo capitalista”. 

A era do final da Guerra Civil até a entrada dos Estados Unidos na 1.ª Guerra Mundial foi a maior das eras de destruição criativa. Naquele momento, as ferrovias substituíram os cavalos e as carroças como meio de transporte. O aço substituiu o ferro e a madeira. O país prosperou porque destruiu empregos e fechou fábricas, promovendo a geração de novos empregos e a abertura de novas fábricas. A destruição criativa é o preço da construção de uma nova sociedade. As regras de ouro garantidas pelo governo americano foram a proteção dos direitos de propriedade e a garantia da execução dos contratos.

O day after desta crise nos trará um outro mundo, com outros hábitos e outra organização dos setores produtivos. O comportamento do consumidor e os modelos de negócio sofreram mudanças profundas. Viveremos uma destruição criativa schumpeteriana.

O home office, os calls através do Skype, do Zoom, do Teams e outros vieram para ficar. Hoje, a Zoom vale 50% mais do que o conjunto de todas as empresas aéreas americanas. Os escritórios serão remodelados tanto em tamanho como em horários de funcionamento. O modo de utilização de transportes coletivos como metrôs, ônibus e barcas será reinventado. As empresas aéreas mudarão suas operações, com a redução do número de viagens. A China deixará de ser a fábrica do mundo e os outros países, o shopping. O mundo não pode mais depender de um único supridor de bens essenciais como equipamentos hospitalares. A eficiência sem levar em conta a estratégia da sobrevivência terá de ser totalmente repensada. A globalização tende a se reduzir e, vendo isso, a China mesmo antes da crise já estava comprando empresas mundo afora em todos os setores.

O Brasil vai precisar se posicionar diante da nova globalização e do livre-comércio. Será necessário promover uma espécie de Plano Marshall no setor de infraestrutura, em particular no saneamento. Não dá para – nem podemos – conviver com comunidades ao lado de nossas casas sem água e sem condições mínimas de higiene sanitária. Caso contrário, teremos a covid-20.

O desafio econômico que traz a atual crise sanitária não tem igual na história moderna. Provavelmente, estamos inaugurando uma nova ordem mundial. No caso do setor de energia, apesar dos baixos preços do petróleo, não acreditamos que a transição energética sofra muitos adiamentos. Na nova ordem mundial todos os investimentos que tragam novas tecnologias e melhoras na qualidade de vida deverão ter prioridade. O que não é o caso da indústria do petróleo.

A crise nos colocou na frente de uma série de perguntas desafiadoras que precisam de respostas rápidas e novas. Respostas simples, porém nada fáceis. Mas a hora mais escura é sempre antes do amanhecer. Ou seja, há sinais de um futuro melhor.

O fato é que a ação do Estado terá de ser reformulada. Mas, como disse o pensador francês Luc Ferry, “vamos necessitar de muita pedagogia e, principalmente, de muita coragem dos nossos governantes no pós-crise para retornar, docemente mas com firmeza, de Keynes a Schumpeter”.

*DIRETOR DO CENTRO BRASILEIRO DE INFRAESTRUTURA (CBIE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.