Maxim Shemetov/Reuters
Maxim Shemetov/Reuters

Desvalorização de veículos pode chegar a 33,84% após segundo ano de uso

Levantamento dentre carros mais vendidos do primeiro semestre aponta que valor do Fiat Strada CE Hard Working 1.4V 8V Flex 2p caiu de R$ 64.900 para R$ 43.000 após dois anos de uso

O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2018 | 16h21

Engana-se quem pensa que, para fazer um bom negócio na hora de comprar um carro, basta olhar para a lista dos líderes de vendas. De acordo com levantamento realizado pela Kelley Blue Book (KBB), empresa de precificação de automóveis, há modelos dentre os mais vendidos do primeiro semestre em que a desvalorização do veículo chega a 33,84% após o segundo ano de uso.

É o caso da Fiat Strada CE Hard Working 1.4V 8V Flex 2p (básico). Uma versão nova do modelo custa R$ 64.990, de acordo com a KBB. Ao fim de um ano, o valor do veículo passa a ser de R$ 49.900, uma depreciação de 23,22%. Ao término de dois anos, o preço chega a R$ 43.000, uma desvalorização de 33,84%.

Os 10 modelos mais vendidos no primeiro semestre de 2018 foram Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Ford Ka, Volkswagen Polo, Volkswagen Gol, Fiat Strada, Chevrolet Prisma, Renault Kwid, Toyota Corolla, Jeep Compass. Dentre eles, o que apresentou menor desvalorização foi o Toyota Corolla GLi 1.8V 16V MT6 Flex 4p, que, ao final de dois anos, apresentou de 9,04% de diferença entre o valor de compra e venda.

O levantamento da KBB excluiu os modelos Volkswagen Polo, Renault Kwid e Fiat Argo do estudo, já que eles possuem apenas versões 2018 e 2019, enquanto restante das amostras considera dois anos de uso. Foram utilizados os automóveis subsequentes em vendas para compor a lista de 10 modelos.

As vendas de veículos novos cresceram 14,5% no Brasil no primeiro semestre de 2018, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) em relação ao mesmo período do ano anterior. Confira na tabela os modelos e versões que apresentaram maior desvalorização após dois anos de uso.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.