Desvalorização do real preocupa indústria argentina, diz 'La Nación'

Jornal diz que setores de têxteis, brinquedos e couro poderiam ser os mais afetados.

Da BBC Brasil, BBC

08 Outubro 2008 | 07h48

A desvalorização do real frente ao dólar poderá ter um impacto negativo na economia argentina ao facilitar a entrada de produtos brasileiros no país vizinho, prejudicando setores da indústria local, segundo uma reportagem do jornal La Nación, publicada nesta quarta-feira.A reportagem traz declarações de um economista e representantes empresariais dizendo que os setores mais afetados serão o têxtil, o de brinquedos e o de couro."A desvalorização (do real) não apenas dificultará a chegada de produtos argentinos ao Brasil, mas também gerará maiores saldos de exportação da indústria brasileira, diante do que os setores mais afetados por aqui são o têxtil, o de brinquedos e o de couro", disse Mauricio Claveri, economista do Abeceb.com ao La Nación.De acordo com o La Nación, a lista dos setores afetados seria encabeçada pelo têxtil."Hoje, é prematuro saber o que pode acontecer e é preciso esperar que a situação se acalme, mas está igualmente claro que se a desvalorização for mantida, o comércio bilateral com o Brasil pode voltar a se complicar", disse Pedro Bergaglio, presidente da Fundación Pro Tejer ao La Nación.Outro setor que poderia ser afetado, segundo o jornal, é o do couro.O presidente da Cámara Industrial de las Manufacturas del Cuero (CIMA), Raúl Zylberstein, afirma, na reportagem, que o prejuízo pode ser maior para os fabricantes de artigos como carteiras ou malas."Hoje, 50% do gasto dos turistas brasileiros na Argentina correspondem a artigos de couro", afirmou Zylberstein ao jornal. Por outro lado, a reportagem afirma que os argentinos têm um "motivo de consolo", já que "as praias brasileiras voltarão a ser mais acessíveis aos consumidores (argentinos) que sobreviverem aos efeitos da inflação e da crise financeira."'Luz amarela'Em uma outra reportagem, o La Nación afirma que fontes ligadas a Néstor Kirchner disseram que o ex-presidente teria admitido sua preocupação frente à desvalorização do real. Segundo a reportagem, a situação no Brasil teria enviado uma 'luz amarela' ao país vizinho, já que um Brasil mais competitivo para exportar "representa uma dificuldade dupla para a Argentina: gera pressão por parte da produção brasileira sobre o mercado local e limita as exportações nacionais ao Brasil".Os efeitos da desvalorização do real também foram analisados por uma comissão formada pelo governo argentino para acompanhar a crise financeira.Na terça-feira, o presidente do Banco Central argentino, Martín Redrado, que faz parte da comissão, descartou uma possível intervenção no mercado de câmbio para levar o peso a "acompanhar" a desvalorização do real.Segundo uma reportagem do Página 12 sobre o assunto, a comissão concluiu que uma eventual desvalorização do peso frente ao dólar faria com que o "remédio fosse pior do que a doença". Um dos integrantes da comissão disse ao jornal que a desvalorização do real no Brasil "passa quase despercebida", enquanto que, na Argentina, uma ação do governo nesse sentido causaria "desespero" e passaria a ser "um tema mais social do que econômico".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.