Deu ´tilt na comunicação´, diz Bernardo sobre meta

Segundo o ministro, mercado não entendeu explicações sobre a decisão

Agencia Estado

27 de junho de 2007 | 14h22

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, atribuiu a repercussão negativa da meta de inflação para 2009 no mercado como um "pequeno tilt na comunicação". "Acho que nós não conseguimos nos entender. Eu achei que estava bem claro. Agora, o mercado leu as notícias de vocês (jornalistas). Não sei como vocês transmitiram", disse o ministro em entrevista após participar de solenidade no Ministério do Desenvolvimento para a liberação de recursos para a Suframa.Ao ser informado de que o mercado considerou as informações sobre a meta de inflação esquizofrênicas, Paulo Bernardo devolveu a crítica ao afirmar "que o mercado é esquizofrênico mesmo". O ministro disse que o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, foi muito prudente e parcimonioso na sua explicação. Para o ministro, a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) vai ficar "perfeitamente clara nos próximos dias". "O BC explicou bem. Nós temos uma meta (de inflação) de 4,5% para 2009. Entretanto, a expectativa do mercado é de uma inflação de 3,7% para este ano e de 4% para 2008. Não é de se supor que o BC vai trabalhar para aumentar esta inflação que está prevista pelo mercado e que nós achamos que está em linha com que o BC está fazendo", defendeu Bernardo. Ao ser questionado se a meta de inflação foi mantida em 4,5% em função das declarações do presidente Lula, que na semana passada defendeu a manutenção da meta, o ministro negou. "Deixar uma margem para o Banco Central atuar é normal."

Mais conteúdo sobre:
Meta de inflaçãoBernardo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.