Deutsche Bank diz que mais encargos vão atingir lucro no 4o tri

O Deutsche Bank disse nesta quinta-feira que seu plano de reestruturação vai atingir "significativamente" o lucro no quarto trimestre, à medida que o banco limpa seu balanço, mas não há motivo para que investidores se alarmem.

ERICA BILLINGHAM, Reuters

13 de dezembro de 2012 | 17h58

"Isso não é visto como um alerta de lucro, é uma orientação (...) para que vocês estejam cientes de que temos efeitos derivados da ressegmentação", disse o vice-presidente de Finanças, Stefan Krause, a analistas durante uma teleconferência após o banco publicar um comunicado regulatório sobre a perspectiva para os resultados do banco no quarto trimestre.

Apesar de um ambiente econômico difícil, o banco disse ter registrado resultados operacionais sólidos em outubro e novembro em todas as suas principais operações.

No entanto, a instituição financeira também disse que encargos adicionais podem derrubar o lucro. O banco já havia dito a investidores recentemente que esperassem um golpe de 280 milhões de euros nos resultados do quarto trimestre devido ao plano de reformulação do grupo anunciado em setembro.

Na época, o Deutsche Bank disse que a reformulação custaria um total de 4 bilhões de euros em encargos, mas que geraria economia de 4,5 bilhões de euros em custos anuais e, como parte do plano, transferiria 125 bilhões de euros em ativos de risco para uma unidade segregada para melhorar sua base de capital.

Mas nesta quinta-feira, o banco disse que a reformulação, combinada com novos ajustes de avaliação para certos ativos e encargos relacionados à reestruturação de novas operações holandesas de banco de transações devem causar um golpe adicional sobre os resultados no ano.

"Atualmente esperamos que esses itens específicos tenham um significativo impacto negativo sobre o lucro do banco no quarto trimestre de 2012", disse o banco, sem fornecer mais detalhes sobre o valor esperado.

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSDEUTSCHEBANKENCARGOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.