Deutsche não aumentará cortes de emprego

O CEO do Deutsche Bank, Josef Ackermann, prevê que o banco não realizará cortes de empregos adicionais, além da redução de 14.470 pessoas já planejada pela empresa até o final deste ano. Até o final de dezembro de 2002, o banco já havia cortado 11.315 desses postos de trabalho. O banco alemão informou que efetuou baixa contábil de 700 milhões de euros (US$ 754,4 milhões) no ano passado relativa à sua participação na deficitária seguradora Gerling GmbH, disse o CEO do Deutsche Bank. Ackermann, afirmou que o banco, que vem vendendo participações em empresas, não venderá mais fatias dentro do atual fraco cenário do mercado. Questionado sobre porque o banco ainda não vendeu sua participação estratégica de 11,8% na DaimlerChrysler, Ackermann disse que está confiante de que a reestruturação da montadora será bem sucedida. Quando questionado se ele espera que o setor bancário da Alemanha se consolide mais, Ackermann disse que não estima grandes fusões no setor em breve. O CEO disse que a fusão de unidades de bancos é possível, porém também "problemática".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.