Dexia ganha garantia de governos da França, Bélgica e Luxemburgo

França, Bélgica e Luxemburgo garantirão novos financiamentos ao Dexia, dando impulso ao resgate público da semana passada e restaurando parte da confiança no maior concessor de empréstimos municipais do mundo. O primeiro-ministro da Bélgica, Yves Leterme, disse nesta quinta-feira que os três países darão suporte até 31 de outubro de 2009 a novos bônus e financiamentos interbancários e institucionais com maduridade de até três anos. O esquema, sob o qual o banco franco-belga pagará uma taxa para refletir sua vantagem econômica, pode ser estendido por mais um ano. "Essa garantia assegura aos depositantes que o Dexia tem liquidez suficiente para honrar seus compromissos com os clientes", disse Leterme. Ele acrescentou que a garantia pode ser fornecida a todos os bancos do país sob as mesmas condições. A ministra da Economia francesa, Christine Lagarde, disse que o plano não foi requerido pelos bancos de seu país. As ações do Dexia saltavam 25 por cento pela manhã, enquanto o índice de bancos europeus subia 1,67 por cento. Uma fonte próxima às conversações disse que a Bélgica fornecerá 60,5 por cento da garantia, enquanto a França entrará com 36,5 por cento e Luxemburgo com 3 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.