Andrew Winning/ Reuters
Andrew Winning/ Reuters

Dez dos 91 bancos testados na UE não serão aprovados, diz Goldman Sachs

Segundo pesquisa, bancos da Espanha, Alemanha e Grécia deverão ser os que mais levantarão capital novo 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

23 de julho de 2010 | 07h34

Dez das 91 instituições financeiras que estão sendo avaliadas na Europa não vão passar nos testes de estresse, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Goldman Sachs com investidores, que foi encerrada 24 horas antes do horário previsto para a divulgação oficial dos resultados, às 13h (de Brasília) desta sexta-feira.

Os testes são uma tentativa de restaurar a confiança após a crise grega abalar os mercados e gerar preocupações sobre o futuro da zona do euro.

Bancos da Espanha, Alemanha e Grécia deverão ser os que mais levantarão capital novo. Entre os participantes da pesquisa, 63% acreditam que o montante de capital levantado deixará os bancos adequadamente ou excessivamente capitalizados, enquanto 37% preveem déficit de capital mesmo após os testes de estresse.

No entanto, o Goldman afirmou que as opiniões permanecem divididas com relação ao desempenho do setor nos três meses depois dos testes. Dos entrevistados, 38% esperam desempenho acima da média, 26% esperam desempenho abaixo da média e 36% acreditam que o desempenho ficará na média.

Entenda os testes de estresse

O teste de estresse é um diagnóstico feito para medir a capacidade das instituições financeiras de manter o fluxo de crédito caso a crise piore. O governo dos Estados Unidos testou suas instituições no primeiro semestre do ano passado. Dez dos 19 bancos avaliados foram obrigados a incrementar sua capitalização para sobreviver a futuras crises.

No caso europeu, os testes levam em conta três cenários, segundo um documento do Comitê Supervisor de Bancos da UE (CEBS, na sigla em inglês), ao qual a imprensa internacional teve acesso antecipado, de acordo com a agência Dow Jones.

O primeiro cenário é conhecido como "benchmark" e usa previsões de crescimento quase em linha com os da Comissão Europeia para ver o que aconteceria aos bancos sob a atual perspectiva econômica esperada.

A partir daí, foi solicitado aos bancos que fizessem dois testes de estresse - um cenário adverso e um cenário adverso adicionado de um choque soberano - sobre a turbulência no mercado de bônus de governos na zona do euro em maio.

(Com informações da Dow Jones e Reuters)

Texto atualizado às 12h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.