Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Dezembro é melhor mês da história em vendas de carros

Até quarta-feira, foram licenciados 363,7 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus

Agência Estado, Agencia Estado

31 de dezembro de 2010 | 09h00

Antes mesmo de terminar, dezembro já é o melhor mês da história em vendas de carros novos, apesar das medidas de restrição ao crédito adotadas pelo governo. Até quarta-feira, foram licenciados 363,7 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. O melhor desempenho anterior havia ocorrido em março, último mês da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), com 353,7 mil unidades. No acumulado, o resultado também é recorde, com 3,497 milhões de veículos vendidos até agora.

A engenheira de alimentos Júlia Salzman, de 26 anos, foi uma das consumidoras que aproveitaram para comprar um modelo zero ontem, seu primeiro automóvel. Moradora da Barra Funda, na zona oeste, ela trabalha em Itapevi, na Grande São Paulo, e sai de casa às 5h45 para ir de trem. "Agora, vou poder sair por volta de 6h30", diz ela, que adquiriu um Fiat Palio com 40% de entrada e 60 parcelas de R$ 390.

"Esperei o fim do ano porque existem promoções por causa da mudança de linha", diz Júlia. Em relação ao mês passado, as vendas em dezembro cresceram 10,7% (até dia 29) e 24% na comparação com igual mês de 2009. A indústria iniciou o mês com previsão de vender 316,5 mil veículos, número que foi alterado para 355 mil e que agora está em 385 mil. "Dezembro tradicionalmente é bom, mas este mês foi surpreendente", diz o gerente de marketing da General Motors, Hermann Mahnke.

No ano, os negócios superam em 11,3% as vendas totais de 2009. Se a projeção para este mês se confirmar, o crescimento será de 12%, acima dos 9,8% previstos pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
carrosvendasrecordeAnfaveaIPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.