Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Dia da Criança terá mil brinquedos novos

Os fabricantes de brinquedos promovem este ano o lançamento de mil produtos para o Dia da Criança, o maior número dos últimos cinco anos. Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), o aumento é de 25% em relação ao ano passado, quando foram colocados no mercado 800 novos brinquedos. Os preços também são "novos" e deverão ficar ainda mais altos no Natal. O presidente da Abrinq, Synésio Batista, estima que as empresas deverão fazer reajustes de até 12% para compensar a inflação nos custos com matéria-prima.A Grow já fez um reajuste médio de 6% nos produtos em abril. A Estrela reajustou os preços em torno de 9% no primeiro trimestre. Em ambos os casos, a causa foi a matéria-prima, especialmente as resinas plásticas, que acumulam inflação de 40% no ano, segundo a Abrinq. As indústrias informam que não planejam repasses até o Dia da Criança, mas o Natal deverá ter novas tabelas de preços. "Estamos vendo necessidade de alta de preços de 10% no Natal", diz o presidente da Estrela, Carlos Tilkian. Segundo o gerente da Grow, Gustavo Arruda, "para o Dia da Criança, não muda nada; para o Natal, pode ser". A estratégia da Gulliver é não promover aumentos até o fim deste ano. "Preferimos trabalhar com a margem (de lucro) agressiva e preços reduzidos", diz o gerente Paulo Benzatti.No Dia da Criança, o gasto médio unitário deverá passar de R$ 40, em 2003, para R$ 50 este ano, segundo cálculos do presidente da Abrinq, que constatou uma volta aos apelo dos brinquedos tradicionais. "A quantidade de lançamentos é assustadora. Para as meninas, a aposta é nas bonecas. Para os meninos, jogos", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.